sexta-feira, 25 de setembro de 2009

D. Ruth

Tema livre

FernandaGuedes

Chegou a minha vez.
Enfim, com meu consentimento, deixaria alguém lembrar o meu passado, recitar o presente e, quem sabe, me deixar umas linhas de esperança pro futuro.
Ela não tinha aquela cara de quem faz previsões cabulosas ou quem faz mandinga nem nada disso.
Faxineira da escola da cidade vizinha, ela fazia suas consultas quase que por hobby e, sendo assim, me pareceu confiável.
Numa despretensiosa sala de aula decorada com o quadro negro e armários, ela me esperava sentada numa daquelas carteiras mesa-cadeira, que são ótimas pra tirar cochilo nas aulas chatas.
Nos cumprimentamos de forma tímida e eu me sentei em sua frente e logo começamos a sessão. Ela olhou pra mim e pra palma da minha mão direita e disse: Seus pais são separados.
Penso que, tendo dito algo que não fosse verdade eu já teria logo pensado porque resolvi fazer aquilo e em como eu estava perdendo, tanto, o meu tempo.
Mas não, ela me olhava nos olhos com aquele ar de compaixão e dizia o quanto eu tinha passado maus bocados por conta dessa separação e, então, só me restou jogar no chão toda e qualquer armadilha que tinha colocado em mim, até ali.
Ao fim da sessão trocamos endereços e durante um ou dois anos trocamos algumas poucas cartas. Ela me contava de sua vida de quase aposentada e eu lamentava algumas coisas da minha adolescência.
O tempo passou e eu não morri com dezessete anos [tá, ela não disse isso, mas minha linha da vida ia só até ali]. Lembro que no meu aniversário de dezoito eu não pulava de alegria porque podia beber cerveja, frequentar festas loucas ou tirar minha carteira de motorista, mas comemorava porque minha linha da mão estava só incompleta, só isso.
Sem contar que ainda não tenho filhos. E, segundo minha querida profética do colégio, eu terei uma dezena. [Será?]
Eram poucas as coisas que ela disse e que me lembrava, até mesmo no dia seguinte, mas a questão do pais separados mexeu demais comigo e me faz pensar sempre se cada risquinho desse em minha mão realmente quer dizer algo, se desde meu nascimento meu destino está ou não traçado e mais um monte de se’s por aí.
Lembro sempre dela e do quanto queria voltar lá em sua cidade, pra dar um abraço e dizer como gostei de conhecê-la e de me livrar daquela armadilha toda. E agora, posso dizer, acredito um pouco mais nessas profecias que existem por aí, em horóscopos e em combinação de signos que sempre me fazem dar uma risada ou que me deixam com um ponto de interrogação estampado na testa achando absurdo ou super certo.
E não, eu não me importo com os erros cometidos, com as previsões furadas. Porque até mesmo eu, que deveria me conhecer completamente, tomo atitudes que, segundos depois, me espantam. Nem eu sei traçar planos pra mim direito.
Que dirá ela, uma faxineira de colégio que só tem o coração bom e aquele dom de passar compaixão e confiança só no olhar. Que dirá ela..

20 comentários:

  1. Cartomante
    Elis Regina

    Nos dias de hoje é bom que se proteja
    Ofereça a face pra quem quer que seja
    Nos dias de hoje esteja tranqüilo
    Haja o que houver pense nos seus filhos

    Não ande nos bares, esqueça os amigos
    Não pare nas praças, não corra perigo
    Não fale do medo que temos da vida
    Não ponha o dedo na nossa ferida

    Nos dias de hoje não lhes dê motivo
    Porque na verdade eu te quero vivo
    Tenha paciência, Deus está contigo
    Deus está conosco até o pescoço

    Já está escrito, já está previsto
    Por todas as videntes, pelas cartomantes
    Tá tudo nas cartas, em todas as estrelas
    No jogo dos búzios e nas profecias

    Cai o rei de Espadas
    Cai o rei de Ouros
    Cai o rei de Paus
    Cai não fica nada.

    ResponderExcluir
  2. ja passei por algo similar.
    mas a mulher errou todas as previsões.

    =/

    ResponderExcluir
  3. então eu tô mais na turma dos: 'do meu destino cuido eu'.

    ResponderExcluir
  4. eu adorei o relato!
    deu pra imaginar você fazendo cara de indiferente ao entrar na sala e se espantando quando a mulher declarou sobre a separação.

    bjão!

    ResponderExcluir
  5. Oi, Laura (agora acertei, né? naquele outro dia, se vc olhar o horário da postagem, vai ver que eu já tava dormindo, hehehehe).
    Vou contar um segredo: eu não tenho linha da vida. Dá para acreditar?
    E quando leram a minha mão, numa dessas experiências que a gente vai mais para testar a "cara de pau" alheia, a primeira coisa que me disseram também foi sobre um momento difícil da minha vida. Vai entender o que isso quer dizer, né?!

    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Um amigo um dia, bêbado, foi ler a mão do pessoal da turma. Ele dizia que fazia isso sempre, que tinha o dom mesmo.

    E o que ele me disse?
    Que eu tenho dificuldades de equilíbrio entre razão e emoção.

    Tipo: precisava ser cartomante pra me dizer isso???

    ResponderExcluir
  7. E não, eu não me importo com os erros cometidos, com as previsões furadas. Porque até mesmo eu, que deveria me conhecer completamente, tomo atitudes que, segundos depois, me espantam. Nem eu sei traçar planos pra mim direito.

    Dá a mão, maninha. Bem-vinda ao clube!

    ResponderExcluir
  8. A mulher só não disse, ou será se disse, que você é assim e pronto: determinada, não se deixa levar por onda nenhuma.

    Dez netos? urggghhh!!

    ResponderExcluir
  9. Eu me lembro dessa história da cartomante.

    Eu sempre fui muito cética quanto a isso. Até queria uma hora ir numa dessas mulheres que leem mão, destino e tal.

    Eu seria uma cartomante interessante e acertaria muitas coisas. Uma questão de inteligência, só... creio.

    ResponderExcluir
  10. Mas esse não é um post meu, é o de Laurinha... a menina que sobreviveu à linha do tempo.

    ResponderExcluir
  11. mas tipos.. a mulher nem é cartomante.
    cartomante é só a música.
    a mulher é quiromante, quem lê a mão.
    ahsuihsuihasuihasiuhasuih

    ResponderExcluir
  12. marininha já foi numa cartomante e super rolou coisas certas.
    um dia vou lá.
    acho super bacana.

    ResponderExcluir
  13. Geeente, que emoção.
    Meu sonho é ter uma experiência assim. De verdade. Eu acredito. Sou a pessoa menos cética desse mundo. Acredito em tudo. E acho tudo interessante. E isso foi muito interessante.

    ResponderExcluir
  14. Nossa, Laurinha, que post bacana. Primeiro pelo seu jeito único de escrever e depois pela história em si, pela amizade que fez, pelas coisas que as 'previsões' da faxineira te fizeram pensar.
    Realmente lance de destino é algo complexo, se existe mesmo ou se a gente traça.
    Se tu sente que deve ir numa dessas 'Mãe Dinah' da vida, vai e me conta depois... hahahahaha
    Saudade do c, menina linda!
    Bjo e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  15. Eu esqueci de dizer sobre a escolha da música.
    Elis Regina é tudoooooooo!
    Adouuuro!!

    Minha filhinha cuti cuti...

    ResponderExcluir
  16. Olha a Flavíssima aqui, minhas gentes.... iurúúúú!

    Laurinha, com seus textos, levanta até defunto... oppss, isso num vai pegar bem... ou vai?

    eu não presto.
    E Paulinha bandida? E Nina bandida 2?
    Como essas mulheres trabalham, minhas gentes.

    ResponderExcluir
  17. Clarinhaaaaa veio também.
    Num tô falando?
    Muito bommmmmm!

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa. Sente-se conosco,tome um guaraná e comente o que você quiser e depois, aguente!!! hihihi