quarta-feira, 14 de junho de 2017

Maldito feriado cof cof cof

Tema: Penso, logo desisto
Por: Nina Reis




Seis e meia da manhã e o despertador tocando minha música favorita. Olho para o lado do guarda-roupa e na porta está pendurado o cabide com o conjuntinho novo que comprei para fazer caminhada. Lembro-me do dia anterior que comprei a polpa do suco que mais amo e ovos, muitos ovos para os deliciosos ovos mexidos que tenho costume de fazer toda manhã.
Ainda tentando acordar, olho para baixo, vejo meu tênis que por sinal está na última parcela. O despertador continua tocando minha música. Remexo, dou aquela espreguiçada de estalar o corpo todo, remexo novamente e penso: é feriado caramba. Desligo o despertador, fecho a porta para deixar o quarto mais escuro e obviamente, logo desisto dos planos de tentar iniciar minha vida fitness.
Tudo culpa do feriado,

hoje é o feriado, ontem foi a preguiça e sigo assim, pensando e logo desistindo de acordar antes das sete da manhã.

terça-feira, 13 de junho de 2017

E no balanço das horas tudo pode mudar *

Tema: Penso, logo desisto
Por Rafael Freitas

Uai, Rafael. Pra alguém que tem orgulho de ser virginiano, aquela estante vermelha ali tá num estado crítico, hein?! Olha pra esquerda, vai. Sentiu o drama? Até parece que os livros criam pernas e mudam de lugar sozinhos, desordenadamente. Já perdi a conta de quantas vezes você já prometeu que vai organizar essas pastas de partituras. E aquele álbum novinho que você comprou pra organizar as fotos da sua mãe? Comprou no mesmo dia que agenda de telefones, que também não foi passada a limpo. Sua caixa de documentos recentes também já quase não fecha. Tem alguns meses ali de recibos e faturas que precisam ser colocados na pasta sanfonada. Ordenados por data, não se esqueça. Melhor nem comentar da pasta de estágio e dos croquis daquele seu colega de magistério, DE MAGISTÉRIO, que você precisa devolver. Na mesma pilha tem uns CDs, DVDs e livros nessa situação. Agora olha pra direita: trabalhos pra corrigir e aulas pra preparar. Não vá deixar pra domingo à noite, como sempre. Já avisei que qualquer hora esse computador vai te deixar na mão. Faz aí um backup dos arquivos importantes e manda lá pra arrumarem o drive de CD e DVD, que não grava nem lê (adoro uma rima!). Tem também o lance do som que para do nada e as entradas USB aí da frente que não estão lá essas coisas. Aproveita pra ajeitar seu HD externo que, olha... É muita pasta duplicada, muito arquivo pra deletar, muita música pra organizar e renomear. Padronizadamente, claro. Até parece que você nunca participou daqueles programas de qualidade, 5 S's, essas coisas. E lembra daquela palestra na malharia? A mulher disse que tarefas que vão ficando acumuladas, que vamos procrastinando, vão gastando nossa energia, nos deixando cansados e preocupados. Tem que deixar tudo em dia, certo? Aí depois você vai ler, assistir um ou outro episódio de uma série... Tudo planejado, agora vamos dormir porque, como você não trabalha amanhã, pularemos da cama assim que o despertador começar a urrar. Sem cinco minutinhos! Sem soneca! Sem... OLHA, SAIU A QUINTA TEMPORADA DE ORANGE IS THE NEW BLACK. TEMOS QUE VER!!!! 


* Matando a saudade dos anos 80 com um trecho da música Tudo pode mudar, da banda Metrô.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

O dia que eu só não gostaria de esquecer pra sempre porque, no fim das contas, é uma história pra contar

Tema Livre
Por Laura Reis



Me lembro como se fosse hoje da sensação de impotência em carregar um pequeno estojo de lápis enquanto ao meu redor se abria um portão para o infinito mundo dos materiais artísticos.

Foi assim: em algum momento do período vestibulando eu decidi que seria uma boa artista plástica. Uma das razões para chegar a essa conclusão, com certeza, era o fato de em todas as provas de exatas, ou naquelas que exigiam a lembrança de fatos cronológicos, eu me saia muito mal. A questão visual parecia mais simples de ser alcançada e foi lá que me matriculei.

Chegou o dia de fazer a prova específica de artes visuais e o meu conhecimento nesse campo era tão grande quando uma tela de colagens e uma noção do que parece bonito aos meus olhos.

Entrei na sala com a minha bolsa e alguns materiais como lápis de cor, tesoura e cola e me sentei na cadeira. Respirei fundo pensando que logo logo aquilo ali – que tinha tudo para ser divertido – estaria no fim e eu poderia beber uma cerveja com meus amigos. Risos.

A cadeira que escolhi, assim como no colégio, era bem na parede esquerda então eu tinha uma visão privilegiada de todos os jovens em construção ali presentes e, assim que passei o olho pela primeira vez, senti aquele deplorável misto de vergonha e desespero. Tenho certeza que naquele momento, meu rosto (em sua melhor performance artístico-plástica) passou do branco para o vermelho explosivo em poucos segundos.

Montanhas de materiais e estojos gigantes que não paravam de brotar bolsos internos com canetas intergalácticas, compassos impressionantes, réguas estratosféricas e outros milhões de materiais que nunca avistei em minha humilde trajetória artística de criança que pinta esse tipo de imagem acima ilustrada.

Se você pensa que não poderia ficar pior, sente-se e fique bem à vontade.

Uma das tarefas era transformar um cilindro de isopor em algum objeto - com o auxílio dos materiais levados para a prova. Ressalto que, nesta época, eu também estava numa vibe meio hippie e, obviamente, decidi que fazer um porta-velas ou porta-incenso era o mais sensato a construir naquele momento. O isopor ia se desintegrando na minha mão até que sobrou apenas o formato de um pequeno lápis com ponta falhada que terminei aos prantos enquanto visualizava de canto de olho sanduíches completos com alface e tomate, mesas de praça com seus quatro bancos acompanhantes e algumas outras obras de arte que minha memória, com certeza, se esforçou para apagar. Obrigada, amiga.

Pois bem. Obviamente eu terminei fazendo Publicidade e Propaganda, como é sabido pela população, e agora que terminei esse relato, tenho quase certeza que já fiz ele em algum lugar da web. Peço desculpas... é que  sempre fico abalada com esse conto.

Hoje concluo que o meu vício adulto em papelaria, canetas, lápis e todas essas firulas tem um triste fundamento que a minha memória, obviamente, não vai me deixar esquecer.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

De você sei quase nada...*

Tema: 30 fatos sobre mim
Por: Rosana Tibúrcio
 
Preciso de ajuda!!
1. Não suporto e não sei andar descalça e, se piso no chão, sinto pavor se não lavar os pés antes de calçar, novamente, sapatos, chinelo. O ideal, na verdade é ir direto pro banho depois dessa aventura.
2. Levo muito choque quando me encosto em portas, janelas, tesouras, torneiras, chaves, gentes. Dizem que é porque não piso no chão.
3. Aliás, morro de medo de levar choque e me estorricar inteira. Muitas vezes, abro e fecho torneira do banheiro com uma toalha na mão.
4. Já levei um choque muito pavoroso no chuveiro de casa quando eu era criança.
5. Quando lavo cabeça de dia sempre penso que meus cabelos estão limpos, cheirosos e úmidos até à noite, mesmo se tiver muito calor.
6. No meio da noite e, por várias vezes, eu viro o travesseiro pro outro lado pra pegar um friinho dele.
7. Não sou de mentir muito, mas quando minto algo muito sério eu arrumo um cúmplice pra me ajudar, me apoiar ou mentir comigo.
8. Assim como a Laurinha – apesar da coleção dela ser outra – não sei quando comecei a fazer coleção de cartões vencidos de banco, plano de saúde et cetera e tal.
10. Fiquei sem noção para estilo de roupa de 2000 pra cá: de “só blusas pretas”, passei para "só blusas estampadas" e não sei no que isso vai dar e PRECISO PARAR COM ISSO!!! QUEM ME AJUDA?? Affe! 
11. Uso o “affe” e “genteeeee” pra qualquer situação de intensidade, não importa se o sentimento é negativo ou positivo.
12. Detesto manifestação; quaisquer manifestações.
13. Choro muito pouco e me distraio à toa quando choro. Aí quando cuido que não, parei.
14. Amo rotina.
15. Até consigo disfarçar tristeza, decepção, preocupação, mas raiva, nunca. Aliás, tenho medo de mim quando fico com raiva. Cês deveriam ter também.
16. Estou usando uma escova de dente azul, depois de séculos de vermelha, e não me sinto feliz por isso.
17. Tento me policiar para não entrar neste mesmo esquema que percebo nas redes sociais e me deixa muito desconfortável: todo mundo julga todo mundo o tempo inteiro e muitos distribuem cartilhas de comportamento e né? Vãosifu!! PAREM!!!
18. Sou a favor da democracia, super a favor, menos nas minhas redes sociais. Em todas elas quem dá o tom sou eu, a dona.
19. Amo minhas fotos de unhas e os elogios que recebo por elas e pelas unhas, e por mim porque sou linda, deslumbrante, maravilhosa. Tá, PAREI!!
20. Já tive um blog chamado lindamente de Pura Fama, mas em compensação tive um fotolog chamado Melíflua que é o nome mais ridículo que uma pessoa poderia arrumar pra qualquer coisa.  
21. Nunca tive birra e muito menos entendi por que os homens têm que deixar a tampa do vaso abaixada. Por que não as mulheres deixarem a dita cuja levantada?
22. Falando em vaso eu sempre olho dentro dele depois de fazer o dois e me expresso com caretas ou palavras como: que podre, nuuuu, affe, emagreci uns cinco quilos com essa... hahaha
23. Quando me lembrei do item anterior eu ri uma vida e pensei também por que as pessoas ficam constrangidas em usar o banheiro ou dizer que usou? até parece que ninguém caga né?
24. Falando em rir eu sempre rio muito quando penso umas besteiras como essa anterior e rio mais ainda ao contar pros outros que tava rindo e rio de quem ri disso também.
25. Quando utilizo o Ctrl c – Ctrl v, na senzala, sempre falo, à medida que aperto as teclas: copiar, agora colar, pronto.
26. Falando em senzala eu me considero muito maravilhosa na minha e fico muitas vezes pensando como é que consigo ter uma percepção tão acertada de inúmeras questões que não são de minha área. Aliás, modéstia à parte, eu tenho total consciência de que qualquer texto acadêmico melhora consideravelmente depois que passa pelas minhas mãos. Obrigada. De nada.
27. Sou apaixonada por relógios e queria ter um em cada canto da casa pra olhar as horas qualquer hora.
28. Se eu fosse mais nova eu faria algumas tatuagens bem pequenas, com traços finos e sem cores. Acho lindo!
29. Se eu morasse com Marina eu faria massagem com ela, no mínimo, duas vezes na semana. Pagando, claro. Se com o Rafa eu aprenderia tudo de artes, cinema, música, conjugação de verbos, vírgulas, esmaltes e roupas. Se com Laurinha tentaria aprender sobre originalidade, ética comportamental nas redes sociais, equilíbrio e ficaria horas vendo fotos lindas. Esse item é só pra dizer que amo esses três e tenho maior orgulho ser a mamita, mainha e mai deles.
30. Adoro falar não só sobre mim, mas sobre pessoas, de pessoas e com pessoas sobre nossos hábitos, gostos e jeitos de ser, assim como propõe o tema do guaraná desta semana. E se você for como eu e quiser saber mais de mim, por exemplo, corra lá no Dona da Banca leia este post de 2009. Ah, posso ter mudado um pouco.

Uma linda quinta-feira pra todos vocês, meus amores, pois nas quintas há sempre algo diferente no ar e hoje há mais sobre mim, se é que isso lhes interessa.

* Escolhi o título a partir da canção de Zeca lindão Baleiro Quase nada, porque sim