quinta-feira, 31 de julho de 2008

Os nossos melhores presentes: Rafa e Paulinha


Por Rosana Tibúrcio*

Os dias da semana passada foram todos diferentes. Resolvi não trabalhar na senzala intelectual para dar uma assistência melhor aos meus amores, Rafa e Paulinha, além de minha Nina que também veio ficar com a gente. Mas é dos dois do sul de Minas que quero falar.
*Falo por mim e pelas minhas filhas – tenho bem certeza disso.

Deitar às 5 ou 6 da manhã, tomar café às 13 e almoçar às 17 horas foi quase uma constante nesta casa, na semana passada.
Num dos dias eu me estressei um pouco, pois pensei que a moçada tava com fome e a comida não ficava pronta, nem com reza brava... rs
Mas logo logo o Rafa deu um jeito de “roubar” um pouco de frango que eu desfiava pra Nina fazer o tal frango surpresa... e montar uns sanduíches pra turma. A maior surpresa desse frango foi que a minha filhota não brigou com ele. E olha que ela proíbe que “peguem” na sua comida antes da hora; maior repressão. Mas o Rafa é o Rafa; ele é o “bom”; ele é “o bom demais”.

Eu sabia que o cara era convencido, mas não do tanto que demonstrou... hihi Hoje eu ri sozinha ao me lembrar dele sentado na cadeira perto da porta, de camiseta azul, batendo no peito e dizendo com uma cara um tanto quanto crítica - depois de acertar a milésima qüinquagésima terceira mímica: “eu sou muito bom, eu sou bom demais” (Eu fui garranu um ódio dessa pessoa...). Mas vou contar pra vocês um babadinho: ele é tão bom em mímica que o porco dele tem mocotó de boi; pula e late como cachorro... Só Jesus na causa!!!
Rafa além de ser bom em adivinhar mímicas, é bom de abraço, de conversa, de canto, de carregar balde de água pro banheiro (hahaha acrescentei depois) de imitações, de ralar batatinhas, e sintonia... e que sintonia linda, emocionante foi a que vi entre ele e Paulinha. Uma amizade de encher o coração e os olhos...

E como não ter sintonia com Paulinha? Ela é super "integradora" (não resisti hihi). Que delícia ver, ouvir, prestar atenção no que ela diz e na defesa de suas “causas”. A intensidade com que ela coloca suas opiniões é de babar. Pensando o quê? Que Paulinha é só essa “porra louca” que vocês vêem e lêem por aqui? Tá, ela é isso sim, mas é mais que isso. Além de linda e engraçada é inteligente pra caralho... dá um banho de sabedoria em muito marmanjo por aí. Rafa já havia me dito isso, mas é mais que esperava. Ela transita muito bem entre o porquê de se ler “Sabrina e afins” e os motivos da birra que tem de alguns imigrantes (melhor nem especificar quais). Paulinha aprende a bordar com a mesma intensidade com que brinca de “bicicleta” com o Rafa, observa o que falo sobre pesquisas acadêmicas e come os meus rocklets vermelhos, deixando assim, desfalcadas as minhas carreirinhas coloridas e organizadas. Como poderia eu criar caso com essa pessoa de vozinha meiga, sorriso espontâneo e que faz aquele gestinho tchin tchin tchin junto ao coração?

Poderia ficar aqui por horas e horas dizendo dos dois, mas sempre será pouco para expressar a minha gratidão e alegria por eles terem me dado – não só a mim, mas também, às minhas filhas – o lindo presente de tê-los conosco por alguns dias.
Não posso esquecer de dizer do pijama que ganhei do Rafa e do cachecol que Paulinha fez pra mim: vermelhos, da cor que eu amo. E do livro, além dos doces de leite – minha perdição... Ter essas coisas "palpáveis" é bacana e parece ser a comprovação de que eles estiveram mesmo por aqui; mas a presença deles é o que foi de melhor e quase posso também tocar no pedaço da ausência que eles fazem e farão em minha vida e nesta casa... até que voltem ...
Saudades!!!


Uma linda quinta-feira a todos, apesar de nas quintas ser também dia de quase morrer de saudades...


terça-feira, 29 de julho de 2008

Os melhores

Por que tema livre se ainda posso continuar com o tema anterior?
Afinal, essas férias foram as melhores de todas que já vive nesse meu mundinho.

Poderia citar zilhares de coisas, acontecimentos, palavras pras mímicas, comidas, piadas, vídeos youtubenses, enfim, muitas coisas.

Mas prefiro em um texto pequeno(se conseguir) dizer o quanto essas companhias maravilhosas, especificando cada um, fizeram o meu feriado perfeitinho.

Por ordem alfabética pra não dar brigas heheh

Denise – Titia Querida do meu coração. A melhor artesã. Coração gigante. Deu aulas pra Paulinha, me presenteou com um lindo conjunto de toalhas, participou das brincadeiras de mímicas e faz o melhor doce de nescau do mundo.

Laurinha – Com seu jeitinho cativante, seu sorriso sincero e seu jeitinho sarcástico, faz com que eu me sinta a pessoa mais feliz desse mundo. Não que eu não goste das outras pessoas, mas ela, ai ai ai não sei nem dizer, ela é minha vida, meu tudo.
Em jogos de mímica ela não fica sem seu quadrado. Ado AAdo Laurinha no seu quadrado. hehe

Mamita – Melhor mãe do mundo. Minha melhor amiga. Carinhosa, brincalhona, super ultra mega participativa. Faz as mímicas com seus melhores contextos. Faz as melhores comidas, melhor frango com açafrão, melhor feijão com lingüiça, mas TUTU minha gente, nem em mímica ela sabe fazer hehehehe ADORO. Ahhh de cabelinho curto, a Dona Franjinha fica bem melhor.

Paulinha – MEU DEUS, que pessoa é essa? (eu aqui fazendo aquele gestinho que ela faz como ninguém).
Encantadora, meiga, carinhosa, sorridente. GENTE, ela é minha amiga agora, de verdade, êbaaa.
Se pudesse conversaria com ela 24 horas por dia. Ahhh ela não mexe na cama. UAU, isso mesmo, dividimos uma cama de casal. Às vezes precisamos passar por cada situação.
Ahhh tem mais, tem mais, ela faz uma inválida como ninguém e uma pulga também.

Rafa – MEU IRMÃO de alma e coração. Não tem tempo ruim perto dele. Tem uma voz linda, um sorriso maravilhoso.
Melhor imitador desse mundão, afinal todo mundo ama, todo mundo admira. Ele é belo, tem todos aos seus pés, mas ninguém dá muitchos dinheiros pra ele, tadinho.
Nem um pouco modesto, ele é o melhor jogador afff .. mas somos “inguais”, num somos? heheheh

Thiago – hahah sobrou pra ele também. Não poderia deixar de falar.
Apesar de ter o olho junto, andar unidirecionalmente e quase dizer “seu vizinho”, porque a burrinha aqui não conseguia acertar, ele é o cunhadinho mais fofo desse mundo e eu adorei ele.

Não poderia de maneira alguma me esquecer da Janaína, afinal ela é beleza de Jesus abraços .. boa boa hehee

Ahhh minhas gentes é isso.
Estou emocionada de verdade.
Amo todos vocês.
Amo tudo isso.

Por
Nina Reis

sábado, 26 de julho de 2008

Agora é minha vez




Pra ser sincera nem sei por onde começar. Pois muitas coisas aconteceram nesses três dias de Guaranates Days.
Bom, começarei com a chegada.

Tudo programado. Laurinha e Papito me ajudaram.
Disse que tinha um tal treinamento pra fazer terça e quarta. *Mais ELES, os Guaranetes, mal esperavam que eu chegaria com uma bandeja cheia de guaranás e canudinhos em plena quarta-feira de estrogonofe. Porque afinal, o FRANGO COM AÇAFRÃO da terça já havia perdido. (ainda uma revolta).
Daí em diante foi só diversão.

Começamos todo lero-lero na hora do almoço, com canções infantis, compartilhando tons agudos, graves, desafinados e mil caras e bocas.

*Mais tarde e sem pensar muito em seqüência de acontecimentos, parte dos Guaranetes foram assistir dvd´s e eu fui conversar com minha amiga Núbia e comer FEIJOADA. Ai ai ai, não briguem comigo, sobrou feijoada pra todo mundo. Hummm que delícia.
Dormimos tarde e acordarmos mais tarde ainda.

Aqui na casa da Guaranete mais velha é só diversão.
Muitas fotos, muitas risadas, muitas mímicas, muitas palhaçadas e poucos momentos piadísticos (aff).

Hora de descer no centro da cidade e andar feliz e contente pela Major Gote (rua principal).
Lá conversamos muito, tiramos fotos e fomos pra outra rua, a General Osório, onde fizemos farras com milhares de camisetas. A Guaranete MOR nos presenteou e foi T-U-D-O.
Barriga roncando. Fomos para o BIG PATO, comer pizza e BATATA AVELÃ (não é de chocolate, viu Rafa?).
Satisfeitíssimos, voltamos pra casa e a MarineteGuaranete (eu mesma) comecei a criar um tabuleiro pra jogo de mímicas. Começa o jogo e o riso é protagonista de todo cenário.
Algumas lembranças.
Poxa vida, será que nunca assistimos a um comício e não somos cristãos?
*Mais tutu nós comemos e sabemos como preparar. Será que minha mãe já preparou algum?
Pulga pula primeiro nas pessoas? Se ela se chamar Paula sim.
Admirar alguém é um ato feio? Me diz Laurinha.
Alguém já foi em um cabaré? O Rafa já foi.
Iate, alguém conhece? Minha mãe conhece.

Pois é, não poderia ter nada melhor pra fazermos. O jogo de mímicas é o melhor.

*Mais um dia e acordamos tarde demais.

- Almoço servido na janta. Frango Surpresa.
- Presente. Sabonete e Toalha linda. Tia Denise me deu.
- Aula de fitas. Será que a Paulinha aprendeu? Creio que sim, porque o trabalho final ficou lindo.
- Visita da Lu e da Ju. Direito a feijão tropeiro e uma escapadinha que dei por alguns minutos hehehe.
Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhh
Esqueci de contar que antes de jogarmos, colocamos alguns cd´s (prefiro não comentar) e DANÇAMOS MUITO MUITO MUITO.

Quero férias assim todo ano.
Com pessoas que amo.
Com momentos maravilhosos.
Muita risada, muito carinho, muito beijinho.

Amanhã, ops hoje, não sei que horas iremos dormir e muito menos que horas iremos acordar. *Mais sei que é dia de cortar cabelo da Rosana e da Laura e fazer mais mímicas pra tentarmos nos aproximar do Rafa, afinal ele se droga e fica jogando e ganhando sempre. .. É ... ele é o melhor, confesso.

Uau ... muita coisa.
Não cansem, por favor.
Beijos pra todos.

E até semana que vem na terça, que é meu dia oficial de postar.
Quanto a * isso perguntem pro Rafa ou abram o caderno de lindas poesias da MarineteGuaranete. hahahahahaha


Por
Nina Reis

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Lista de atividades dos guaranetes


Por Rosana Tibúrcio

Depois que Paulinha e Rafa decidiram vir à Patos de Minas e eu decidi aceitar recebê-los (meu lado imprestável pediu que eu dissesse isso... rs), começamos a elaborar uma lista de atividades.
Explico: ano passado quando meu Filhote veio aqui deixamos de fazer “ene” coisas que havíamos combinado. Agora não, tem uma lista que anda na casa toda e que precisa ser cumprida. Ela já foi pisoteada, amassada, mas tá aqui, firme...rs
Antes de contar coisinhas que já fizemos nesses dias, preciso dizer que a Paulinha é linda demais; ela é meiga, engraçada, inteligente e maluca – assim, do jeitinho que eu imagina -: transparente.
Rafa eu já conhecia pessoalmente desde o ano passado e ele só fez melhorar. Não tem como explicar o que é essa pessoa, minhas gentes. Uma coisa do outro mundo de bom!! Só que, tadinho, tá no maior cof cof... Ano passado fui eu, esse ano, ele. Ninguém merece.

Informo que eu, muito organizadinha, coloquei a lista em ordem alfabética [haha]. Vamos a ela, então.
-Assistir DVDs gravados por mim (uma “gravante” da pesada) => O primeiro que assistimos – imposto pela Paulinha, a repressora do Guaraná – foi o “Por toda a minha vida” de Leandro. O Rafa chorou o tempo todo, a Paulinha lá pela metade e eu, durona que sou, só no final. Depois assistimos ao Som Brasil (Cazuza), ao Jô e ao Programa Altas Horas (Milton Nascimento, Malu Magalhães e Ney Matogrosso). Isso foi ontem e na última fotinho da imagem (de almofadas nova.... iebbaaa!!), tá registrado, um momento DVDs.
- Bisnaguinha com requeijão => uma certa “exigência” do meu filhote, e eu obedeci, de verdade. Comprei porrada de bisnaguinha e, preciso dizer, rolou um certo ciúme de uma pititinha da casa. Laurinha disse: “nossa, comprou 900 bisnaguinhas para aquele meu irmão gayzão? Eu não gosto de intriga, mas contei pra ele tudo, do jeitinho que ela falou... rs
- Contar um caso da visita de uma "sem noção"=> contei ontem, não posso relatar aqui porque é meio assim, falta de ética... [haha]
- Estrogonofe => fiz ontem. Tive como assessores para ralar batatinha, (afinal, a batata palha que acompanha meu estrogonofe é “real”) o Rafa e a Paulinha. Quer dizer, a Paulinha só dava pitaco e provocou um corte no dedo do Rafa. Foi preciso ter muito “pacênça” com o ralador oficial, pois foi um tal de deixar uns “pedacinhos” pra ralar no final. Eu desconfio que iam jogar no lixo, mas brava como sou, não deixei... rs Nesta segunda fileira da montagem de fotos, tem as do estrogonofe: Paulinha que tentava fazer o post de ontem, nos intervalos da "ralação de batatinha"; uma minha, toda linda (urrghhh) de avental cortando os pedacinhos de carne; e na outra foto, tem a Nina que chegou de surpresa (a rEdícula disse que chegaria só hoje), com uma bandeja de latas de guaraná... A foto esquerda da última fileira somos nós comendo a tal melhor comida de Patos, quiçá do universo (é, meu estrogonofe também é estilo "quiçá"... rs)
- Explicar como os atuais dançam => tarefa do Rafa que imitou as danças dos gays da atualidade. Foi assim, uma coisa sinistra...
- Feijoada da Ju => Juliana, minha amiga e namorada de Luziá, minha irmã de coração, veio fazer feijoada pra gente. Pra esta feijoada a Tia Denise veio também. E trouxe duas caixas lindas que ela fez em decoupage: uma pro Rafa, outra pra Paulinha. Ela também ganhou presentes dos meninos. Foi uma noite divertidíssima, cês não têm noção do que é a Lu contando coisas. Choramos de rir.
- Frango com açafrão => Fiz no primeiro dia e isso quase provocou a "terceira grande guerra mundial", pois a Nina não estava e é a comidinha que ela gosta mais. Rolou um certo ciúme, uma certa cobrança. "Só Jesus na causa", como diz a Lu, Mas no sábado vou repetir a iguaria, afinal eu sou muito “boua” pra fazer comidinha, mas meu cardápio é limitado, confesso.
-Imitações de Rafa e Paulinha das coreografias dos pagodes de Borda => imperdível. Eles são rEdículos. Aliás, eles são loucos, um começa a conversar e, do nada, dançam... assim, com coreografia e tudo.
- Mostrar meus prendedores de roupa => mostrei... haha Paulinha inda viu várias roupas no varal e até me ajudou a guardá-las, tudo assim, combinadinho e as vasilhinhas lá, com eles organizadinhos por tamanho e cor. Se alguém falar que eu sou louca, vou mandar pra puta que pariu. Tenho dito!!!
- Um dia de piada => o que era pra ser reservado pra um dia ocorre a toda hora. É tudo muito engraçado e depois que a Nina chegou... ficou pior, ou melhor, vai saber.

Há ainda uma série de outras coisinhas que precisamos cumprir e, inclusive, há um tal “frango surpresa” que é para a Marina fazer hoje. Porém, já são 12h25min e ninguém, além de mim, acordou. Dormem, no quarto de Nina: o Rafa; no de Laurinha: Laurinha e Nayarinha; no meu: Paulinha e Nina. E euzinha aqui já fiz o meu “café quiçá” e um chá pra lá de gostoso; já coloquei bisnaguinhas, requeijão, bolachas e outras coisas na mesa e aqueles vadios lá, dormindo...
Eu deitei às cinco horas e não vi a hora que os guaranetes e convidados foram pra camita.
Vai saber... rs

Uma boa quinta-feira pra todos vocês, pois nas quintas é dia de cumprir algumas outras coisinhas que estão determinadas numa certa lista de atividades dos guaranetes... é dia de elaborar qualquer lista bacana, e é dia, sobretudo, de ser feliz.
E somos, minhas gentes, e somos.

Tábãodimais!!

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Paula e Rafa estrelando: Meu jeans viajante!!!


Tem aquela música que fala de viagem e viajantes e bem, não combina nem comigo e nem com o Rafa. Para dizer a verdade a viagem para Patos de Minas foi realmente muito planejada, calculada, projetada e, enfim, executada. Isso tudo na teoria, porque na hora..............................................................................

Os primeiros preparativos para a viagem começaram no carnaval, para dizer a verdade como somos pessoas que adoram deixar tudo para a última hora, nos preparamos mesmo um dia antes de ir. E tem toda aquela seqüência lógica de que nascemos com os dois pés esquerdos de tão desligados e sem coordenação motora. Era um segurando a bolsa para o outro, e perde a passagem, o bilhete das malas e carrega milhões de sacolas com biscoitos, compra água por um preço exorbitante e acha que é barato.
Eu simplesmente adorei a companhia União. Eles te levam até Patos de Minas e mentem para você dizendo que vão parar em Lagoa Formosa e Presidente Altino, porém, quando você olha para fora você vê Patos e fica muito feliz e nem liga para os transtornos.
Rosanita disse que estava frio e não está. Eu adorei o inverno da cidade. Na verdade, eu estou gostando de tudo!
Rosanita é uma pessoa fantástica, super amiga, companheira, uma mãezona, recebeu a gente muito bem, além de ter o melhor café de Patos, quiçá do universo. A casa dela é acolhedora e tem um clima delicia de amizade.
Laurinha é linda, meiga, uma bonequinha que anda e fala, na verdade, ela dá dicas ótimas.
Nininha é linda, adora fazer surpresa, engraçada e uma pessoa um tanto quando rEdícula, mas ela tudo pode, pois trouxe guaraná com canudinho!! UAUUUUUUUUUU!!!
E para terminar esse post uma frase em homenagem a Rosanita:
- Eu gosto dela, eu vou na casa dela, eu ligo para ela, ela é legal!!
Beijocas
Paulinha

terça-feira, 22 de julho de 2008

Diário de Bordo

Post da Série Dias Felizes, do Fael.

Nossa viagem começa na segunda-feira, às 13h10min, saindo de Muzambinho com direção a Alfenas.
Antes disso, devo considerar a correria no trabalho sexta-feira, o sábado com os irmãos e o sobrinho gatinho e com uns amigos (na verdade, amigos da Paula... rs) comendo fondue e o domingo com lasanha da Paula, carinho do seu pai Zé, filmes (entre eles, P.S. Eu te amo) e outras coisas um pouco mais chatas.

Segunda
Rafael acorda com muita dor no corpo e febre. Mesmo assim, saiu pra comprar algumas coisas que faltavam e embrulhar os presentes. Arrumou a mala e deitou, já que a gripe anunciava que não lhe daria sossego. O sobrinho gritando pela casa: "Áfa! Áfa!"! Delícia.
Melhorou um pouco e foi comprar os biscoitos, como havia combinado com a Paula. Farofeiros assumidos, eu diria. Faltando poucos minutos pras 13h ela passa com seu pai para pegá-lo. O primeiro passo (o primeiro ônibus, no caso... rs) da viagem: Viação Santa Cruz, para Alfenas. Viagem tranqüila. Duas horas é pouco tempo pra tudo o que esses dois amigos tagarelas têm pra conversar.

Chegando em Alfenas, se ajeitaram nos bancos. Compraram água mineral sem gás e a Paula comprou dois livros estilo “Sabrina Sensual” numa super promoção. Rafael ficou chocado, mas ela argumentou: “Pra viagem, eu gosto de ler coisas que não preciso pensar”.
A febre do rapaz insistia, mas Paula cuidou bem do seu amigo. Deu remédio, deixou que se deitasse no seu travesseiro e ainda rezou por ele, com a ajuda dos 318 pastores (hahaha).
Rafael, com febre, dor no corpo e tudo, ainda teve coisas chatas pra resolver por telefone. Coisas de relacionamento. Coisas que não deveriam lhe deixar tão chateado.

E eis que chega o União!
Os dois amigos guardaram as malas. Tanta gente...
Sentaram nas suas poltronas e tentaram ler um pouco. Ela, o tal romance Série Ouro: Casamento Forçado; ele, Dona Flor e Seus Dois Maridos, Jorge Amado.
Mas só dormiram. A incontinência urinária dela gritando, ela precisando de um banheiro, e o motorista nem aí, frio e apressado, quase anti-ético. Ela abraçava o travesseiro e dizia: “Rafa, não fala comigo! Não consigo segurar!” O banheiro foi aparecer duas cidades depois... haha

Terça-feira
0h20min.
Rafael toma seu xarope e Paula diz para ficarem acordados. Deve estar chegado. Logo estariam em Lagoa Formosa, aí Rafael ligaria pra Rosana.
0h45min
Uma cidade se aproxima, aquelas luzes todas. Paula repara nas placas, setas, indicações. De repente: “Bem-vindo a Patos de Minas”.
Como assim???

Ligaram pra Rosana e combinaram que iriam de táxi. E eis que o ônibus pára na garagem da União! E agora? Onde encontrar um táxi, minha gente?
E foi aí que, depois de doze horas viajando juntos, eles brigaram... Tudo porque ela queria seguir em frente e ele descer as duas quadras que levariam à rodoviária, como o cobrador havia explicado.

Rodoviária, passagem de volta, ajuda pro rapaz que pediu, táxi e... casa da Rosanita!!!
Aí fica fácil imaginar: muitos abraços, muita conversa, ela encanada com o que queríamos comer, Rafael escovando os dentes, Laurinha acordando, fotos...
E conversa, muita conversa!

Foram dormir às 6h30min.
Agora, quase quatro da tarde, Rafael escreve o seu texto para o Guaraná enquanto ouve a panela de pressão preparando o almoço: frango com açafrão.

E isso é só um das muitas coisas deliciosas que vão aprontar juntos!

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Semana Especial!!!

por Umdiasereieumesma

Enfim chegou o dia!!!
Amigos especiais para passar uma semana incrível!
As guaranetes de Patos recebem os guaranetes de Borda.

Tudo bem que Marinete só chegará na quinta, mas estará muito bem representada pela mamita que fará as vezes das duas até lá.
Primeiro encontro. Reencontro. E contos. E causos.

Rosanita, muito querida, pôs ordem na casa, escolheu os DVD's, ganhou almofadas novinhas para serem usadas na farra com pipoca e guaranácomcanudinho.
Se o filme for romântico, derramem lágrimas por mim. Se for uma comédia, riam também por mim.

Trate, senhora dona da casa, de esquecer a lida da senzala durante toda a visita, para que possa aproveitar ao máximo a companhia dos colegas de diversão.
Tenho certeza que será uma semana com muita risada, cafezinho, pão de queijo e pararásssssssssss (hihi, aprendi com a anfitriã).
Acho até que ela vai usar os copinhos muito queridos que foram da mãezinha. Se não forem suficientes, há que revesar prá que todos possam usar.
Aproveitem muito, riam muito, postem mais ainda. Mas não nos deixem sem notícias desse caloroso encontro que nos deixa, a todos, muito felizes.
É pessoal, enfim chegou o dia. E vai rolar a festa!!!
Ótima semana prá todos nós.

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Dez palavras ao vento...


Por Rosana Tibúrcio
Tema livre é “ó do borogodó”. Borogodó significa “especialíssimo” e como só as coisas peculiares podem provocar, tema livre me dá uma certa “dor de cabeça”.
Na falta de tempo e, confesso, criatividade, peguei um dicionário – desses de papel – abri algumas páginas de forma aleatória, parei em determinado lugar e “pimba”: escolhi dez palavrinhas. Delas vou dizer o que representam pra mim, ou não...

1. Abstração: adoro; aliás, uso bastante. Ela me recorda Caetano Veloso num programa da TV Cultura (Ensaio). Caê dizia sobre a segunda vez que voltou ao Brasil, depois do exílio e como as pessoas o olhavam – desta vez – com olhar de quem recebe um brasileiro querido. E ele disse, mais ou menos, assim: “às vezes, penso que isso é uma abstração de minha parte, mas não, eu pergunto à Dedé (mulher dele na época),
ao Gil e à Bethânia, e eles confirmam que foi verdade, que isso, de fato, aconteceu."
Uso muito essa palavra quando alguém me incita a desacreditar numa premissa real, sobretudo, vivida por mim. Exemplo: “ué, eu estudava pra caramba, todos os dias ou isso é uma abstração de minha parte?” E aí, calam, depois de sugerirem que eu ainda não passei num concurso porque não estudei ou não estudo o bastante.
Contra os fatos... não há abstração.

2. Casarão: diferentemente de muitas pessoas, eu não gosto de “cacareco”. Esses casarões históricos não me fascinam. Sou mais da modernidade. Casarão me faz lembrar morcego, raios, trovões, e casos fúnebres. Agora, eu me recordo com certa saudade, daquela novela “casarão”. Achava lindo o amor daquele casal, o Paulo Gracindo e Yara Côrtes.

3. Esperança: amei ter encontrado este substantivo. Esperança é tudo. Sempre que penso nela, a fé vem junto. “Esperança e fé”, coisa de Rosana “noveneira”.

4. Indeterminado: abomino coisas indeterminadas, sinto uma certa aflição. Tenho apego por certeza ou, no mínimo, uma probabilidade, mas indeterminação me angustia. “Eu vou, mas não sei o dia”; “conseguirei terminar, mas não sei como.” Muito, mas muito ruim.
A esperança é também algo abstrato, mas ela existe na gente, quase se pode tocá-la; a indeterminação, além de abstrata, não “é”.

5. Mau-caráter: me remete às pessoas que dizem: “fulano não tem caráter”. Como não tem? Todo mundo tem caráter. Bom ou mau. E o mau aqui é com “ele”, pois contrário de bom. Fico irritada quando leio “mal-caráter”... haha
Agora, quando se diz: fulano é “de caráter”, aí sim, quer dizer que fulano tem bom caráter. Esta palavra não me remete à característica de quem a possui e sim, ao jeito erradinho de escrever ou de entendê-la.
Tá, tem também, o Mário Jorge “elogiando” a Isadora no Toma lá dá cá... rs ADORO!

6. Ostensivo: algo que me irrita é lidar com pessoas que ostentam demais. Por outro lado, quem nunca ostentou algo na vida? Eu ostento as filhas lindas que tenho; o Guaraná e os guaranetes; o meu apreço pelo estudo; a qualidade do meu trabalho; a minha comida gostosa e o melhor café de Patos, quiçá do universo. Mas não gosto de ostentação material. Nunca gostei, nem quando eu era mais ‘poderosa’.

7. Ratazana: ninguém merece! Um dos pânicos mais intensos que tenho. Pavor desse bichinho. Se vejo uma, isso não sai de minha cabeça por longa data. As iniciais de meu nome formam “rats”... Eu as usava no banco antes de iniciar uma “partida”. Havia sempre algum piadista imbecil que dizia: “foi a rata que fez essa contabilização”. uuhh!!

8. Sicorda: nunca vi mais gorda. Voltei ao dicionário pra conferir, mas era isso mesmo. É um substantivo feminino e quer dizer: “Viga disposta no sentido longitudinal da embarcação, ligando os extremos de vaus interrompidos pela abertura de uma escotilha.” Pra mim não diz nada. Apesar de apreciar aprender novas palavras, tenho a impressão que daqui uma semana não saberei nem como ela se escreve, “seus sicordas de uma figa”... Parece que ela cai bem num xingamento... haha

9. Trilha: nem se eu buscasse a trilha...rs Adorei encontrá-la. Representa o meu blog “outras trilhas” e indica um jeito mais leve de dizer de mim e dos outros, pra mim e pra todos. Quem busca novas trilhas está à espera e pronto pra o inusitado. Eu procuro – apesar de ser uma pessoa bastante rotineira – buscar nova trilha de pensamento e sentimento. Essa trilha me interessa.

10. Zarpar: a última palavra "achada" veio a calhar, pois zarpar tá mais que na hora.
Esse “partir”, para mim, indica mais que “ir a outro lugar”, determina “sair deste lugar”. Algo pra quem já deu o que tinha que dá. Hora de "pocar a mula", digamos assim...

Indo... então, moçada... afinal, com essa total indeterminação de temas é preciso ostentar a criatividade, matar as ratazanas do casarão interno, zarpar para outras trilhas - bem longe dos maus-caracteres - pegar a sicorda da esperança e chegar à conclusão: “a Rosana Tibúrcio existe; existe sim senhores. Ela não é uma abstração. Né não!!”


Uma linda quinta-feira para todos vocês, pois nas quintas-feiras, amores meus, é dia de viajar nas palavras ao vento... e ser cafona, e ser muito cafona...
.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Acaba não mundãooooooooo!!!!


da série Post caipiras da Paula

Reza o ditado popular que o sangue é mais grosso que a água. Eu, como repórter especial do guaraná com canudinho, fui pesquisar se esse dito realmente está correto.
Para comprovar cientificamente o que o ditado afirma com veemência, eu fui a campo e pesquisei sobre fatos da minha vida, onde o sangue realmente gritou mais alto e mostrou que era o dono do pedaço.
Semana passada eu escutei a seguinte frase: “Você Paula é quase um amigo gay”. Eu fiquei tão feliz com isso. Já que ser gay é sinônimo de ser chique, bonito, sofisticado, amante das artes e da boemia. E pensei comigo, os meus lazeres favoritos estão muito relacionados ao fato de eu ser um quase gay. Eu adoro fazer compras, adoro roupa, sapato, bolsa, e sou realmente muito sincera com minhas amigas, é melhor escutar de mim que a bota cowboy não é nada chique do que escutar isso da perua da mesa ao lado.
Meu nome está presente em todas as listas de restaurantes, barzinhos, e baladas da cidade.
Sei dançar, falo inglês razoavelmente bem, conheço vinhos e adoro coquetéis famosos imortalizados por seriados.
Mas há algo em mim que realmente não combina com tudo isso! Eu honro minha origem caipira do interior. Eu sei que é engraçado, mas eu adoro festa de peão, assistir o rodeio (eu entendo as regras e canto as músicas). E tudo bem que depois da novela América o rodeio é artigo de luxo nesse país, mas são poucas as pessoas que realmente gosta e entende o esporte. Por isso vou contar um pouco desse universo para vocês.
Primeiro não existe covardia com os animais, eles são muito bem tratados, são cavalos e touros premiados que vivem em aras sete estrelas. O touro vencedor do Guaxupé Rodeo Festival (a terceira maior festa de peão do Brasil) ganhou 30 mil reais, que serão gastos em banhos relaxantes, ração selecionada e uma saidinha com a vaca mais cobiçada do pasto. A espora não é afiada e a corda fica na parte mais forte do touro, suas mentes poluídas, a corda fica no tórax, eles pulam porque a raça deles é assim e são incitados com a espora a fazer isso. Para se criticar uma cultura é necessário entendê-la.
Eu adoro música sertaneja, mesmo que algumas más línguas falam que é música de gente que levou um pé na bunda, o show do Vitor e Léo foi mágico e fantástico.
Talvez eu nem goste tanto assim de rodeio e essa sensação de felicidade que tive é por conta de um passado muito feliz, em que essa festa era presente em minha vida? Pode ser que sim. Pode ser a questão do sangue caipira que sempre correu dentro de mim? Pode ser também. Só sei que eu respeito aquelas pessoas que vivem do mundo do rodeio simplesmente para a diversão dos outros.

Como estamos no mês dos rodeios, ao invés da frase da semana vou deixar um versinho de rodeio:

Pra fazer tudo que eu gosto não tem lugar e nem horário, moro embaixo do chapéu não carrego calendário, minha linguagem é simples não conheço dicionário, no rodeio sou doutor, mas na vida só fiz o primário.

Cavalo eu puxo no toco, Burro eu puxo no moirão, gosto do whisky, mas a cerveja é minha paixão. Sou gamado na loira. Mas da morena eu não largo não!

Ótima Quarta-Feira

Paulinha

terça-feira, 15 de julho de 2008

Liguei pra dar um OI


“ Trim ... trim ... trim ...
- Alô!
- Alô?
- Sou eu (pausa pra uma risada)
- Oi, tudo bem?
- Sim, tudo. Liguei pra dar um oi.”


E esse oi se estende por no mínimo 10 minutos e no máximo 2 horas e meia > sim, sim, 2 horas e meia, geralmente quando estou na melhor fase da paixonite aguda.
Mas vamos lá.

Acho que já deu pra perceber que adoro um telefonema, seja chamada recebida ou discada, não importa.
Semana passada após um dos melhores telefonemas da minha vida (que fiz pra minha mãe) liguei pro meu irmão e disse que um dia escreveria isso aqui ó:
- Nokia 6131 - R$ 545,00
- Capa Acrílica - R$ 9,00
- Conversar com a família e os amigos – não tem preço ........ hahaha escrevi.

Relativo aos telefonemas que tenho feito ultimamente, agradeço a TIM por essa promoção maravilhosa. Confesso que a minha vontade é não parar mais de ligar.
Agora preciso fazer referência a algumas pessoas com quem tanto converso.

Mamãe e Nubinha – conversas, risadas, desabafos e muitos conselhos.
Papai e irmãozinhos – carinho e emoção.
Laurinha – saudade muita saudade e uma felicidade tamanha.
Helô (Um dia) – ensinamentos virtuais, soletração de sobrenome (Kiss) e descobertas.
Rafinha – diversão, risadas e muita saudade.
Dani e Karina – fofocas, “causos”, risadas e desabafos.
Paulinha – Uai, pra esse cabeção nenhum telefonema AINDA. Aguarde-me! Faça o favor de passar o número AGORA.

Gosto do telefone fixo (sem fio se possível) mas realmente não sei como vivi 21 anos da minha vida sem celular. Não sou ninguém sem ele. Já fui roubada duas vezes e mesmo assim não desisto.

O velho e bom trim trim deu lugar a toques personalizados, com música diversas, gravações, entre várias opções. Cada contato na agenda com o seu toque (ou não) depende.
No meu celular dois dos meus contatos estão com a opção de toque (sem toque), por um tempo prefiro nem ver que estão me ligando. É minha gente, isso acontece.
Mas o restante do pessoal, UAU, pode me ligar à vontade. Se não estiver trabalhando, atendo, nem que seja pra dar um oi, sendo ele de 10 minutos ou 2 horas e meia.


Nina Reis.

Amo tudo isso.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Peculiaridades da Bordinha!

Post da Série Posts Simples, do Fael.

14 de Julho.
Sabem o que isso significa?
Que aqui na Bordinha o bicho tá pegando!!!

Pois é.
16 de julho é dia de Nossa Senhora do Carmo, padroeira da cidade.
Se brincar, é o mês mais esperado pelos bordamatenses que se jogam nas barracas, shows e churros.
É. Porque festa da Borda sem churros não é festa da Borda!
Aonde você vai as pessoas te perguntam: E aí? Tá gostando da festa? Tá saindo todos os dias?
E me olham como se eu fosse um ET quando respondo: Não saí ainda! Não ligo pra essa festa!
Isso não permite que eu me sinta um bordamatense típico (Ufa!).

Eu tento, mas não consigo!
Muita gente, muita muvuca, muita bagunça, ruas com milhares de cheiros, bêbados.
A falta de educação alheia se manifesta com empurrões, pisões no seu tênis xadrez semi-novo ou banhos de cerveja ou outra bebida qualquer.
Sem contar nas breguices e modelitos fora do contexto que a gente encontra a cada dois passos!

Neste ano, a festa tá rolando desde domingo passado.
Não dei as caras nenhum dia. E parece que a banda toca aqui dentro do meu quarto (Sim! Tem banda todos os dias!), porque moro bem perto da praça.
Só ontem à tarde que fui ver a banda de um tio (Consideração... Rock pesado não me faz a cabeça!) acompanhado pela família e saí à noite pra ver uns amigos.

Agora, tem coisas dessa festa que gosto e nem posso negar: acarajé e tapioca da barraca da Dona Leda, minha baiana querida, que me chama de “meu amigo”, e cocada da barraca da japonesa.
Outro ponto positivo: meus irmãos vêm pra cá, o Gu, algumas tias e primos de Sampa. Rola uma baguncinha em casa de pessoas que a gente passa muito tempo sem ver e a saudade aperta.
E pelas ruas, nas tais barracas, a gente encontra pessoas bacanas, mas que tomaram outros rumos e a gente nem vê mais. Mal dá tempo de dizer um oi, perguntar como estão as cosias... Às vezes rola um abraço corrido, mas é bom pra refrescar sentimentos e lembranças boas que estavam aqui dentro, inertes.

Neste ano a Paula não veio... Se ela estivesse aqui, eu estaria lá na praça, rindo das pessoas que andam dançando coreografias de pagode (Põe na lista que a gente tem que imitar isso, mainha!), de alguma peruinha que empolgou na jaqueta de pele falsinha ou na bota Frankstein.

Chato que meus irmãos já vão embora, meu gatinho também (coisa mais linda, agora fazendo careta franzindo a sobrancelha e fazendo beicinho com cara de mau).
Terça-feira tem show do Daniel e nem vai ter jeito de andar pela praça, de tanta gente. Mas a gente faz o que pode. Tudo pra curtir os amigos!
Depois desse show, esperadíssimo, ainda vou ter umas três ou quatro noites pra curtir várias bandas de camarote ou ser arrastado por multidões que compram churros, morango com chocolate, panelas, calças, jaquetas, óculos, bijuterias...

Nessas horas, chamo meu otimismo que me olha com ar quase reprovador, bate a mão no meu ombro e diz: Pelo menos você vai ter mais uns dias pra comer acarajé e tapioca!
(Sem contar nos preparativos para uma certa viagem que roubam a atenção dos outros acontecimentos! rs)

sexta-feira, 11 de julho de 2008

LazerPrazer

(por Umdiasereieumesma)
Tudo que é lazer dá prazer, por isso não consigo separar um do outro. Pode ser pegar o carro e dirigir 240km só prá ir comer pizza em Goiânia. Ou montar quebra-cabeças comendo pipoca e ouvindo música instrumental, principalmente se for Raúl di Blasio ou Ahmad Jamal. Um dos meus preferidos (pasmem): ficar na cozinha ouvindo minha linda filha caçula contar todos os mínimos detalhes do que fez na noite anterior. E olha que ela sai quase todas as noites! Isso inclui até detalhes de um e outro carro que cruzaram seu caminho. Entrar numa livraria e passar um bom tempo lendo as sinopses de um montão de livros, mesmo sabendo que não vou comprar nenhum. Ficar olhando as nuvens cor-de-rosa no céu de Brasília na época da seca me toma um tempo prazeroso, e mais de uma vez já disse a amigos que essa é uma forma de lazer prá mim. Tomar um bom vinho, numa companhia idem, música suave, pouca luz...
E por fim, Guaraná com Canudinho. É tudo tão novo pra mim e já me sinto tão ambientada com vocês! Me relaxa participar, me dá prazer, então... é lazer.
Agradeço muitosuperhipermegablaster a oportunidade. Valeu Guaranetes!

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Só é bom lazer se for pra ser feliz


Por Rosana Tibúrcio
Eu percebo o lazer muito mais sob o aspecto interior que por aparência.
Eu o compreendo no que ele provoca em mim, bem mais do que eu possa provocar, nas pessoas, com a minha imagem em lazer.

.
Eu amo conversar; ler; assistir a um bom filme ou programa na TV; ouvir uma boa música; jogar baralho; observar pessoas; participar de uma "roda musical", sem grandes pretensões; beijar na boca e falar de amor. Mas nem sempre quando faço isso, estou em total entretenimento. Posso estar, quiçá em “recreio”, apenas.
.
Eu me recordo do tempo de criança em que eu amava fazer desenhos pra ilustrar “composições”; montar quebra-cabeça; ler historinhas; soprar bolinhas de sabão e brincar com balões de festa. Odiava ser “interrompida”; quase sempre eu me assustava, pois estava “concentrada” demais. Era tudo muito sério, naqueles lazeres. Lazer é distração e para eu me distrair é preciso me concentrar no que faço.
.
Tenho uma "fala" que é meio constante na minha vida - que eu já vivenciava lá, quando criança, mas que não sabia expressar -, é uma das minhas verdades: "para mim,felicidade é concentração." Se eu não estiver concentrada, feliz, eu não estou tendo um lazer, portanto.
.
Quando estou em lazer eu não ouço os barulhos por perto (tá, sou surdinha, mas dêem um desconto, favô); não sinto cólica nem dor de cabeça; não penso em minha conta bancária nem nas tantas que preciso pagar; não penso na idade nem na velhice; não me preocupo com o trabalho nem com coisas da casa que estão, a cada dia, mais estragadinhas.

Há muitos “nãos” quando o: “sim, isso pra mim é lazer” ocorre comigo, percebem?
E o que sinto depois dessa total “concentração feliz” – mesmo que ela tenha ocorrido por pouco tempo – é um descanso tão intenso que nem o sono nem mil horas ociosas, mas não prazerosas, conseguem me dar. É como se eu me sentisse no céu. Assim, desse jeitinho cafona mesmo de dizer...

.
E esse lazer é vício, porque se eu o tive hoje, quero amanhã e depois e depois. E se não consigo repeti-lo, assim, mais amiúde, eu me sinto espantosamente frustrada, irritada e fico muito, mas muito chata.
.
Nos períodos em que eu jogava baralho, por exemplo, me causava um certo frisson os minutos que antecediam uma partida. O mesmo ocorria quando eu ia pra aula de pintura. Essas duas coisas não faço mais, mas me recordo com saudade desses lazeres felizes.
Ler bons livros eu tenho lido nos últimos meses; assistir a bons filmes, não, infelizmente.
Ouvir música e descobrir as canções “na volta do dia” é um prazer infinito, é um lazer que me deixa plena e sinto tanto ter poucas horas para fazer isso. Atualmente, meu lazer musical tem um nome: Oswaldo Montenegro. A cada canção que eu descubro... é, inexplicável.

Conversar. Conversar eu gosto bastante, mas a conversa que me proporciona o bom lazer é com poucos que consigo manter.
Pra uma conversa me deixar concentrada não há que ter embate. Numa “conversa lazer” eu aprecio e considero instigante uma boa discussão, mas nunca o confronto. Se há, eu me canso. Não gosto de conversar com quem quer provar estar certo nem aprecio sentir vontade de provar as minhas certezas.
A minha “conversa lazer” é aquela que eu aprendo e ensino, que eu me divirto sem censuras e que também divirto o outro. É dos melhores lazeres que gosto de ter. E penso terei bastante com os meninos aqui em casa, quando eles vierem.
E foi o que tive nesta terça-feira com o meu amigo do peito, que amo de paixão e que veio aqui me ver... e conversar.
Amo conversar com ele, dá agonia quando ele vai embora. Mesmo que troquemos e-mails depois, como numa continuação do nosso infindável diálogo...
Além do quê ele é um homem lindo pra caramba e tem um dos melhores abraços desse mundo de meu Deus.
E na falta de beijar na boca e falar de amor (?!?1), que pra mim também é um lazer, eu fico com esses abraços calorosos e com a sensação de que o belo esteve por aqui, do meu lado, por um bom período.
Isso também é lazer... já que feliz e bastante concentrada eu fiquei e fico, né não???
.

Uma linda quinta-feira pra todos vocês, pois nas quintas, é dia do melhor lazer que há aqui no Guaraná: dia de ler a humilde Rosana Tibúrcio... Tá, eu não presto, mas me divirto!!! Espero divertir "ocêis também tiquim."

.

terça-feira, 8 de julho de 2008

Lazer pra mim é bem-estar


Nunca deixei de ter essa opinião: pra mim lazer é sinônimo de bem-estar.
Bons amigos, boa música e uma ótima conversa é algo insubstituível, com direito a risadas, discussões, brincadeiras, apelidos e outras "coisitchas" mais. De tal maneira a cancelar (se possível) qualquer compromisso pra estar em boa companhia.
Quando essa mistura citada acima acontece, sinto prazer na alma e confesso sentir um pulsar diferente em meu coração. (Puro romantismo. Não é, Paulinha?).
Contando a partir de hoje, faltam 17 dias pra viver intensamente um dos melhores lazeres da minha vida, pois estarei ao lado de pessoas extremamente importantes.

Rosana – porque é minha mãe. Sinto saudades todos os dias. É minha amiga, minha melhor conselheira. Minha vida.
Rafael – porque é meu presente de Deus. O irmão de coração. Melhor piadista e tem o sorriso mais lindo desse mundo. Ahh amo o queixo dele também. (lembra da foto?).
Paula – porque é a minha mais nova amiga virtual, com um grande passo para uma linda amizade real. É a melhor comentarista e ainda por cima tem um lado romântico lindo.
Conseguem imaginar como será maravilhoso o encontro dos GUARANETES?
É uma pena não poder estar todos os dias. Meu lado Marina Reis (profissional) falou mais alto e não posso deixar tudo.
Se tiver LAZER melhor do que tudo isso que eu disse, de estar com as melhores companhias me avisem.
Peraí, não me avisem não. Eu sei que esse é e sempre será o melhor: PRA MIM.

Obs.: Não posso deixar de dizer que seria maravilhoso se a Haline e a Um dia estivessem presentes também. Como diz minha “nova amiga”, o mundo iria acabar.
Obs.2.: essa foto é só pra matar um pouco da saudade. E dar um gostinho de vontade na Paulinha.
Obs.3.: Não posso deixar de falar da minha irmãzinha Laurinha, que fará companhia pra todos os Guaranetes e juntos iremos compartilhar momentos maravilhosos. Laurinha, vá organizando uma listinha de piadas .. tá?

Nina Reis

.

segunda-feira, 7 de julho de 2008

O que é lazer, professora?


Post da Série Temas Propostos, do Fael.



L- Ler
A- Amigos
Z- ZZZzzzzzz (haha)
E- Escutar música
R- Rir

Hahaha
Não resisti ao acróstico!
Despretensioso e simples, permaneceu perambulando aqui apesar dos rótulos e implicações que eu o dirigia. Foi se mostrando, manhoso, até que percebi uma característica dele que chega a causar inveja: como pode ser tão sintético, tão exato, mesmo que lhe caibam outras situações/ações?

Vamos analisar.

LER
Tudo bem, eu assumo: leio pouco. Mas a falta de tempo nem é desculpa esfarrapada.
Só ter um minuto que seja mais tranqüilo que já pego um livro, pode ser no horário de almoço, antes de dormir ou no bus até ir pro Conserva.
Ler me faz esquecer qualquer problema ou encanação. Me envolvo no enredo, analiso o que gosto e o que posso “imitar” das peculiaridades daquele escritor, vou e volto nas páginas se precisar de algum contexto e me faltarem pormenores.
Deixo registrado aqui que não gostaria que acabasse nunca o livro que estou lendo (e faltam apenas 20 páginas... humpf!): Tia Júlia e o Escrevinhador, do Mario Vargas Llossa. Altamente recomendável!

AMIGOS
A verdade é que, pra mim, LAZER e AMIGOS são sinônimos.
Não tem nada pra me deixar mais feliz e resgatar minhas energias como estar com meus amigos.
Pra conversar até a madrugada ir alta, ensaiar teatro ou canto, tomar sorvete ou comer um lanche, ir a algum show, assistir filmes... Qualquer coisa na presença deles me relaxa e me dá ânimo pra continuar seguindo leve, feliz.

Zzzzzzzzzzzzzz...
Dormir, dormir, dormir.
Tudo bem que não dou prioridade pra isso, mas quando o cansaço grita, não tem outro jeito: pijama, edredom e Ulisses (que é um companheiro fiel e agüenta roncos, movimentos bruscos e puxões no edredom que o deixam descoberto a noite toda! rs).

ESCUTAR MÚSICA
Ali, deitadinho na cama, som baixinho enquanto o sono vem. Ou mesmo na hora de arrumar a bagunça do quarto, trabalhar ou ficar navegando virtualmente. Parece que com uma música boa tudo fica mais gostoso, a gente aproveita melhor o tempo.
E aqui entra o LE Bizarre. Sim! Os ensaios do grupo, além da experiência maravilhosa e do contexto aprendizado, tiram a alma da gente do lugar. Não tem cobranças nem peso: tudo é feito com carinho, prazer, gosto por esse trabalho e compromisso.
Como se naquela sala, a beleza e histórias das peças expurgassem o cansaço e a chateação de uma semana toda!

RIR

É repetitivo porque rir já está ali nas letras A e Z.
Mas além de completar o acróstico, penso que rir é sempre um bom remédio.
Alguém aí vai dizer que se cansa rindo?

É isso!
Viajar seria uma boa opção, mas não faço isso com freqüência.
Namorar também, mas tô em processo! hehe

Agora, se você quiser um jeito prático, rápido e divertido para descansar, relaxar, como se o mundo fosse parar por um minuto, tenho uma boa dica: é só vir até aqui, ficar a vontade e ler um pouco.
Mas preste atenção! Tem que saber pedir!
É só chamar um dos garçons e dizer: Ei, amigo! Vem rapidinho e me traz logo um Guaraná com Canudinho!

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Problema ou solução?

Há pouco tempo atrás eu escrevi um texto, aliás, foi o primeiro texto que postei no meu blog e nele não apoiava qualquer tipo de "relacionamento" através de um PC.
Mas lá eu criticava vários pontos desta “modernidade” que vivemos e a internet também entrou na onda, entretanto, neste caso, eu criticava àquelas pessoas que achavam ser capazes de te conhecer através de uma tela de PC, desconhecidos que passam a achar que sabem tudo de você por que vistam seus perfis na internet.
O texto se chamava: Mas afinal, cadê o despertador? E hoje resolvi postá-lo aqui, para discutirmos, já que o maior meio de contato entre os Guaranetes é o PC.

Afinal, cadê o despertador?

As vezes acho que o “ser humano” deveria ser chamado de “ser estranho”, porque somos sim muito estranhos.
Desenvolvemos tecnologias avançadas e nos entregamos a elas de tal forma que chegamos ao extremo de acreditar que tudo é possível através de uma tela de computador, inclusive conhecer uns aos outros. Esquecemos que sem olhar nos olhos isso é completamente impossível.
Hoje nos achamos super desenvolvidos porque nos comunicamos através de aparelhos, porque não temos que fazer grandes esforços para nada: Tá gorda? Faz lipo. Tá decepcionada? Lexotan e coca – claro - pra dar uma animada. Alimentação saudável é coisa do passado. Quer comer muuito? Quer beber muito? O faça, pois já criaram remédio pra isso também: Um engov antes e um depois e assim fica tudo bem. Natureza se tornou piegas, para saber em que lua estamos sem uma folhinha na mão é quase impossível. Quer ficar forte? Bomba. Quer falar com seu melhor amigo no dia do aniversário dele? Internet. Enfim, as pessoas não querem grandes esforços e assim vão levando uma vida desesperada, sem se conhecer, sem tempo para olhar nos olhos, para receber sorrisos e – principalmente - para olhar para dentro de si mesmo.
Eu li uma frase nestes dias que dizia o seguinte: “O problema não é o mundo e sim as pessoas”, concordo plenamente. O que vai mudar o mundo são pessoas de carne e osso, que se encontram pra conversar e resolvem seus assuntos pessoalmente. Que assumem suas fraquezas, suas tristezas e não fazem da sua vida uma tela de PC. Pessoas que não se acham tão “simples” ao ponto de se apresentarem em um perfil bem elaborado.
Tá faltando aperto de mão, abraço de amigo, beijo carinhoso. Tá faltando carta pelo correio - escrita a mão - com erros, corretivos e “cheiro de atenção”. Tá faltando bem estar, natureza, esporte, pensamento positivo, energia positiva. Tá sobrando julgamento, achismo, cochicho, alienação, festas vazias, corações vazios. Tá sobrando opiniões formadas sobre pessoas que nem conhecem, mas acham que são intimas devido a estes benditos perfis. Tá sobrando muito e tá faltando muito também...
E pra mudar tudo isso precisamos acordar todo mundo, acordar e fazê-los entender que a vida é aqui fora. AQUI FORA “SER ESTRANHO”!

Mas afinal, cadê o despertador?

Ótima sexta pessoas!!!
Afinal, tem dia melhor que este???

Namastê Haline

quinta-feira, 3 de julho de 2008

Mãe, o que é, como se faz e por quê?


Por Rosana Tibúrcio
.
Criança é direta e rápida quando pergunta. É bom, então, que se preste muita atenção no rostinho delas, quando indagam alguma coisa. Só assim a gente pode entender o quanto ela quer saber e não ir além da conta, nas respostas.
.
Das duas filhas que tenho, a Nina sempre foi a mais “perguntante” e a que tudo expressava, sem grandes pudores.
Eu me recordo de um dia em que, ao folhear uma revista Pais & Filhos, ela deu de cara com a foto de um bebê que acabara de nascer. De imediato, com carinha de nojo e dó, meio entre uma "interrogativa espantosa", ela indaga: “mamãe, por que esse neném tá estragado?” Eu expliquei, o tanto que ela “quis” saber e, pronto.
.
Anos depois, Nina me chamou em particular para que eu lhe respondesse algo sobre sexo.
Lá fui sem saber o que me esperava.
Respirei fundo e perguntei o quê, exatamente, ela gostaria que eu explicasse.
E ela: “mãe eu queria saber como é que faz neném.”
Eu: “hãnnn??? Como assim, Marininha?” (ai meu Jesus Cristinho, pensava euzinha).
Ela: “mãe, eu quero saber como é que o papai e a mamãe fazem com as pernas na hora de fazer neném”.
Mó Deus, o caminho ela sabia, o babado era mostrar a posição das pernas, aí foi "facim, facim." Peguei dois bonequinhos e fiz uma simulação... e fiquei pensando, "é só isso que ela quer saber, não vou mais adiante."
Ri porrada depois, quer dizer, rimos muito, assim que contei ao papito dela.
.
Agora, uma das minhas comadres, tava lá um dia preparando o almoço, bastante apressada, pois quase hora de ir para o trabalho e a minha afilhada fazendo “dever de casa”. Quando surgia uma dúvida, a comadre ouvia e auxiliava.
Eis que de repente, Ana Carolina perguntou pra lesada de minha comadre: “mãe o que é sexo?”. A loira (é loira mesmo...rs) ficou vermelha, sem graça, mas “deitou a contá”, didaticamente, sobre sexo e posições (como se sexo, bom ressaltar, fosse só pra fazer filho... owww), e disse mais ou menos assim: “papai gostou de mamãe, eles se beijaram, o pitinho duro do papai (odeio isso de dizer que o trem é “inho”; depois depara-se com aquela coisa toda e, tome trauma) entrou num buraquinho da mamãe, jogou sementinha e dentro da mamãe tinha uma casinha pra cuidar da sementinha e blá, blá, blá”
Observem só, a menina perguntou apenas o que era sexo.
Quase no final da explicação, vergonhosamente, a danada resolveu olhar para a cara da filha e percebeu que a “pititinha” nada entendia.
Aí ela pensou (ufa, até que finalmente): “gente, como assim, a escolinha perguntar isso?”. No que ela chegou perto da filha, indagou: “por que cê tá perguntando isso, filha?”
E minha afilhada apontou para uma folha que havia um questionário com lugar próprio para a criança marcar as respostas correspondentes. E o primeiro item era: "sexo ( ) masculino – ( ) feminino". E só!!!
.
Não preciso dizer que quase fui expulsa do hospital no dia que minha comadre me contou esse babado. Um dia não muito bom, pois Laurinha e Carol estavam internadas, no mesmo corredor do tal lugar sinistro... mas lugar esse que ficou suave quando eu ouvi e percebi, mais uma vez, que a simplicidade que há na criança é algo mais forte que se possa imaginar e como nós adultos, somos imbecis, muitas vezes.
Tá, uns são mais que outros, e que minha comadre me perdoe, mas ela ganha de mim de dez, na babaquice... owwww

É isso!!

.
E como não podia deixar de ser, já que continuo ainda, muito Oswaldo Montenegro e que ele canta “sexo” muito bem, vamos ouvi-lo novamente... arrááááá!
O que a abstinência não provoca, né minhas gentes??? rs
.
Uma linda quinta-feira pra todos vocês, meninos e meninas, pois nas quintas-feiras é dia de fazer amor a la Paulinha, ou fazer sexo mesmo, daqueles dos bão, independente da posição das pernas...
Mas por favor, tranquem as portas, se houver crianças por perto. Muito juízo, nesta hora!!

.

quarta-feira, 2 de julho de 2008

O que eu quero de você!!!


Por Paulinha Miranda direto da redação

Quero acordar do seu lado num domingo de manhã e saber que não temos hora para sair da cama. Quero preparar seu café, enquanto eu olho você lendo a página de informática do jornal. Quero que durante o café você me fale do seu trabalho e das pessoas que trabalham com você mesmo que eu não as conheça.

Quero ver você cozinhando para mim e me oferecendo uma taça de vinho. Quero que você me leve para jantar e dançar, só que o dançar sempre é esquecido, porque você me levará para a casa e fará amor comigo.

Quero que durante uma tarde quando você estiver trabalhando em casa, você largue tudo que esta fazendo me abraça e me beija, e depois desista de trabalhar para assistir um DVD comigo. Quero que você me leve ao shopping e ande comigo em todas as lojas e principalmente não deixe que meu lado consumista se aflore.

Quero que todas as vezes que façamos amor, seja igual como da primeira vez. Quero te ouvir falar do futuro e descrever a casa que teremos no campo, quero que você descreva cada detalhe. Quero deitar com você na rede no final do dia e ver o pôr do sol e ouvir você contar histórias do passado, e que você também planeje nosso futuro.

Quero que você me leve para viajar e no meio do caminho você mude de rota e de direção, para que possamos ficar mais tempos juntos. Quero que quando eu estragar o jantar, eu possa escutar sua voz doce dizendo: Eu sei o telefone do disk pizza, eu adoro pizza.

Quero quando ficar grávida ver você olhando minha barriga disfarçadamente. Quero ver você tirando fotos a todo o momento e comprando roupinhas de bebês de um jeito meio consumista. Quero que você vá comigo em todos os exames e que aperte minha mão quando você estiver com medo.

Quero ver você dormindo para poder me dar àquela sensação de paz e harmonia que eu sempre sonhei em ter. Quero ver você dançando, daquele seu jeito desengonçado, balançando os braços e esbarrando nas pessoas. Quero te ouvir dizer: Paula, Deixa comigo!

Mais do que tudo eu quero fazer parte do seu futuro, na verdade a única coisa que eu quero de você é que você nunca se esqueça de mim e me ame como da primeira vez...


Pensamento do dia, também conhecida como frase da semana:

Ela é tão insignificante que não dá nem para odiar!!

Ótima Quarta-Feira crianças

terça-feira, 1 de julho de 2008

O que mais gosto em mim

Nina Reis

Como a lesada aqui pensou que na semana passada o tema era “O que eu mais gosto em mim. Características físicas e psicológicas” aff havia começado a escrever, até que descobri que tinha me enganado, mas tudo bem!!
Todos os guaranetes postaram sobre esse assunto. Então, como essa semana o tema é livre, resolvi por conta própria e um e-mail enviado pra essa turminha, cuja resposta foi de autorização, falar sobre as minhas qualidades.

Falar delas se torna algo um tanto quanto complexo.
Primeiramente, por eu ter muitas (adoro essa pretensão).
Segundamente, por ser difícil descrevê-las.

Mas vamos lá.

Antes, preciso dizer que a boca e o sorriso fazem parte de um mesmo “conjunto anatômico”. Mas prefiro separá-los pra explicar melhor.

Características físicas
Sorriso – poder.
Com ele desarmei muitas pessoas. Fiz muita gente parar de chorar. Usei pra seduzir, pra conquistar, pra abusar e pra contagiar.
Dificilmente me descanso dele.

Boca – sedução e amizade.
Adoro seu desenho. Olha só o que escutei sábado. “Deus realmente é arquiteto, que boca é essa?”. Sorte a minha. Eu disse.
Com ela posso usar todo meu poder de sedução e ficar ou não no lucro. Depende do dia hehe.
Falo demais, isso todo mundo sabe.
Com ela, dou os meus melhores conselhos, faço elogios, críticas e uso todo poder de convicção para algo que estou determinada a conseguir.
Ultimamente tenho conseguido vender muita bebida e comida no samba da sexta.
Mas falando sério. Dela não me descanso um segundo.

Mãos – carinho e trabalho.
Gosto do formato. Lembro sempre das mãos da vovó (materna) e da minha mãe que pra mim sempre foram lindas.
Com elas dou o carinho necessário nas horas mais precisas e posso confortar as pessoas que gosto com um delicioso cafuné.
Elas são instrumentos do meu trabalho. Como amo e me dedico 100% ao que faço, sempre ouço que elas são mágicas.
De descanso elas precisam e de um bom alongamento também.

Cabelo – beleza
Gosto da cor, do tamanho e da textura. Tá certo que de 5 anos pra cá, não está do mesmo jeito nem tenho mais tanto amor. Mas cuido o máximo que posso. Afinal, quando não exagerado, as mãos sobre eles, são armas para a sedução.


Quanto as outras características não físicas, posso primeiramente dizer que sou muito amiga, me entrego intensamente e, às vezes, caio do cavalo, mas passa.
Gosto e sou admirada por minha alegria de viver, meu sorriso constante e meu abraço caloroso.
Sou boa de papo e boa ouvinte e adoro alguns minutos de silêncio.
No meu lado profissional sou extremamente responsável e no pessoal altamente confiável.

Acho que tá bom, chega de falar tão bem de mim, chega! ... hehehe
ADORO TUDO ISSO!!!