segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

A crisezinha do rio. rs

Da Série Crises Livres.

Nunca entramos num mesmo rio duas vezes porque as águas passam fazendo do rio um rio novo e porque a cada dia acordamos uma pessoa nova.

Não era bem assim, mas este era o sentido da frase que li num dos meus contatos do MSN ontem à noite.
Por mais clichê e batida que seja, não dá pra negar.
Alguma coisa acontece diariamente dentro da gente. Conflitos de emoções, pensamentos, verdades e conceitos que recebem atualizações pelas situações que vivemos, pelas pessoas que convivemos, por notícias, livros e imagens que vemos.

Mas estas atividades internas e seus resultados são tímidos, contidos. Não ficam se mostrando nem fazendo alarde de sua presença renovada, de sua cara nova.
Escondem-se e aí há que se viver uma brincadeira de criança para encontrá-los.
E quem liga pra isso? Quem, em meio a tanta correria, procura seu ‘novo eu diário’?

O processo pode ser divertido e surpreendente!
Até a umas semanas atrás, eu detestava couve. Mas eu não havia experimentado numa farofinha com bacon ainda! rs
E alguém percebeu a ausência dos diminutivos tão comuns nos meus textos, nos draminhas, crisezinhas, probleminhas, dorzinhas, coraçãozinho... Que coisa mais chatinha devia ser! haha
Exemplos bobos e corriqueiros. Mas se até estes são perceptíveis, os mais importantes serão ainda mais fáceis de encontrar!

Todo dia a gente se rasga: a casca se rompe porque não cabemos mais, como uma troca de pele.
Metamorfoses ambulantes sem a velha opinião formada sobre tudo.

É se jogar sem saber onde vai cair. Mas sendo livre e com fé que vai a mudança vai ser pra melhor!
Rafa
PS. Continuo gostando, muito, de Los Hermanos.

14 comentários:

  1. A música que eu quero um tá tocando...
    humpf!

    ResponderExcluir
  2. Helloooooo!

    Gente, eu já postei!

    ResponderExcluir
  3. Bom, vejamos... eu tava lavando banheiros... urgghhh!!
    Por isso não ouvi seu grito, mas já tô aqui.

    Te contar: esse babadinho aí do rio, nem é assim clichê, clichê... não é qualquer clichê, saca? Foi dito pelo filósofo Heráclito de Éfeso, não é mesmo Paulinhaaaaaa? Nunca mais esqueci o nome do danadinho... só não me recordava do Éfeso, mas aí fui no Google...
    Mas então, Heráclito diz outra coisa interessante sobre "os opostos", é muito interessante, procure uma hora procê ver.

    Mas então, isso de deixar o coraçãozinho de lado, eu gostei bem... hehehe apesar de que quase era um charme.
    Só que houve crescimento.

    ResponderExcluir
  4. A gente não muda essas questões éticas mais profundas e algumas características, mas como dizia uma professora minha dos tempos de Pedagogia (e lá se vão décadas): "eu mudo, não fui feita a ferro, e até ferro muda se fundido, por que eu não".
    Mudanças é para os grandes, mas continuar gostando dos Hermanos e de beijar na boca PODE!!

    ResponderExcluir
  5. Que babado é esse de nos marcadores ter "Aniversário do Rafa"? Surtô????? Ou cê tem algo pra contar sobre o dia 12 de janeiro de algum ano por aí???
    Conta... conta... conta...


    Tá, eu não presto!!

    ResponderExcluir
  6. Bom, já que comecei reclamando eu vou continuar: não gosto de post sem título.
    Pronto!!

    Se fosse meu aluno eu tirava 3 pontos.

    ResponderExcluir
  7. Nossa!
    Detesto a falta de título tb!
    E surtei nos marcadores!
    haha

    Indo lá arrumar!

    ResponderExcluir
  8. Que vergonha não saber disso do filósofo!!!
    Mas juro que não quis dizer que era um clichê do tipo: "Não era pra ser" ou "o que é seu tá guardado"... haha

    Penso assim tb, mainha, que a essência não muda.
    E adorei a idéia do ferro da professora!!!

    opa! rs

    ResponderExcluir
  9. Deixar de gostar de beijo na boca??

    NUUUUNCAAAAA!!!

    ResponderExcluir
  10. Gostei do negócio do ferro aí pra professora. A professora sou eu... hehe

    Que título mais gay, diria a Laurinha, mas eu não sou a Laurinha e não digo isso jamais...

    hahaha

    Eu SE divirto.

    ResponderExcluir
  11. nem achei o título gay.
    mas o título junto da imagem ficou meio estranho.
    bom, não importa.

    eu adoro você gostando ou não de couve, falando ou não com mil diminutivos, com essa imagem e esse título ou não, também.
    ahsiuhsaihsiuash

    ;*

    ResponderExcluir
  12. Marinade cheia de saudade12 de janeiro de 2009 13:18

    Nossa Maninho.
    Adorei seu texto. Só o texto, o título e o desenhozinho deixo pra Laurinha ficar comentando hehehe.

    "Alguma coisa acontece diariamente dentro da gente. Conflitos de emoções, pensamentos, verdades e conceitos que recebem atualizações pelas situações que vivemos, pelas pessoas que convivemos, por notícias, livros e imagens que vemos." Estou vivendo isso diariamente.

    Beijocas.
    Saudades de você Rafa. Muita saudade.

    ResponderExcluir
  13. Sabe que eu nem tinha reparado na imagem?
    O carinha tá numa atitude meio suspeita mesmo... rs

    Mas é bom saber que vc me apóia e me admira mesmo assim, Laurinha!

    E muita saudade de vc tb, Nina!
    Acho que meus avós estavam falando sobre vc hj... rs

    ResponderExcluir
  14. Num quero fazer intriga, mas Laurinha achou o desenho... sabe, né? hehehe
    Ai, genteeeeeeee cadê Paulinhaaaaa?

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa. Sente-se conosco,tome um guaraná e comente o que você quiser e depois, aguente!!! hihihi