sexta-feira, 17 de junho de 2011

Amores possíveis

Tema: Meu primeiro amor
Por Taffa

Eu não tive apenas um primeiro amor, mas dois: um hétero e um homo. Sou da turma dos retardatários e só fui me apaixonar mais tarde, aos dezoito anos, por uma garota que na época era da minha sala na faculdade. Lembro muito bem de como tudo aconteceu: a primeira vez que a vi, o sorriso discreto que me encantou, os cabelos vermelhos tingidos e enrolados num coque logo acima da nuca e aquele olhar, sim, olhos que me encantaram desde o primeiro momento em que me deparei com eles.

De início não houve nenhuma grande afinidade, era um em cada canto. O meu encanto já existia, porém eu era tímido demais pra tentar alguma coisa. Através da música, pensamentos parecidos e conversas cheias de gargalhadas, nos aproximamos. Essa intimidade me trouxe mais dor a prazer, pois descobri nela uma menina apaixonada pelo namorado, mas machucada por diversas coisas que, embora contribuíssem para que aquele relacionamento ruísse, ainda não eram o bastante e ele continuava de pé.

Por um ano e meio guardei comigo o sentimento, representando sempre uma imagem de amigo, guru, confidente e porto seguro. Nossa ligação foi intensa, forte demais eu diria, e isso fez com que o que eu sentia se transformasse em algo fraterno. Numa noite contei pra ela toda a minha história e o meu sentimento e ela me assumiu que já sabia, mas gostava tanto da minha companhia que optou por não perdê-la, fechando assim, o nosso laço de amizade num contexto muito superior a tantos outros que já tive.

Depois disso passei algum tempo sozinho, me reorganizando. Não tive um período de confusão mental, o que normalmente antecede a aceitação própria no mundo homoafetivo, mas me orientei, tomei atitudes e posições e resolvi embarcar nisso que, assumo, há muito me atiçava a curiosidade. Tão bem me encaixei neste universo que logo comecei um romance com um rapaz dono de um sorriso franco e aberto. Nos encontramos numa noite qualquer e logo de cara tivemos uma química tão intensa que, depois disso, permanecemos extremamente grudados, nos separando somente muitos meses depois. Com ele eu vivi o primeiro grande romance da minha vida. Amor mesmo, consentido. Daqueles onde é sempre fácil agradar e ganhar um carinho e os momentos juntos ficam eternizados não só na memória, mas conseguem ir mais além e penetrar no fundo da alma.

O meu rompimento com esse segundo-primeiro-amor aconteceu de forma abrupta e com a mesma intensidade que ele havia começado. Hoje consigo assumir que isso me deixou deveras amargurado, pois na época eu sofri e refleti pensando se tivesse cometido um grande erro, ainda tentando encontrar uma forma de contorná-lo. Mas o tempo trouxe pra mim a maturidade de compreender que nós devemos ser mais ponderados e sempre dispostos às situações. Hoje continuo solteiro, sem amores em vista, mas não estou desolado e sim em paz, apenas aguardando o momento certo para fechar este ciclo e começar toda uma história, de peito aberto, mais uma vez.

19 comentários:

  1. acho que você não teve muito problema em descobrir a preferência pelo outro chocolate e isso me deixa feliz.
    e me faz querer que com todos os outros seja assim também.
    porque o sofrimento amoroso já é tão difícil, quiçá aquele que, de antemão, é ligado a uma.. coisa que não sei definir mas tipo 'armadura criada pela sociedade'.

    ResponderExcluir
  2. hummmmmmmmm, adorei!!

    Amanhã comento detalhes.

    Não sem antes dizer:

    odeio pessoas que encontram imagens que correspondem ao texto.

    ódEo!! rs

    ResponderExcluir
  3. É verdade, Lau. Eu não tive problemas em descobrir a minha preferência pelo outro chocolate.

    (Pra entender a interna, leia: http://instanteimpreciso.blogspot.com/2011/05/gosto-refinado.html)

    ResponderExcluir
  4. Só que isso nem sempre é tão fácil assim. Existem dois níveis que eu considero distintos porém importantes: assumir-se para si mesmo e, depois, para a sociedade.

    É preciso ir contra uma série de pensamentos e concepções não só religiosas como também sociais e isso é uma barreira que muita gente não consegue ultrapassar.

    ResponderExcluir
  5. Enfim, a solução para muita coisa, muita mesmo, é o respeito.

    E respeito anda em falta neste século.

    ResponderExcluir
  6. Rô, a imagem eu encontrei no Google. Não arrumei link porque acessei a página e ela não estava mais disponível. Então printei a tela e joguei a imagem aqui.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Brant, amei sua história.

    Concordo com você: "assumir-se para si mesmo e, depois, para a sociedade."

    Enfrentar a sociedade não é fácil, precisa se ter coragem e saber muito bem o que se quer. Dai as vitórias virão a cada dia.

    Vc é vitorioso, pois conseguiu se resolver rapidinho.

    ResponderExcluir
  8. No seu tempo, seu amor irá aparecer. Pode ser que não dure uma vida, mas que ele seja cheio de amor, paz e alegrias.

    Bom final de semana para todos!!! Beijos

    ResponderExcluir
  9. Lindo mesmo, Taffa!

    [Se eu disser que você é fofo, a Laura vai me sacanear, né?!]

    ResponderExcluir
  10. Também não sofri muito com essa confusão mental, não, mesmo tendo começado um pouquinho mais cedo que você.

    E o meu primeiro amor me ajudou muito a superar qualquer problema. E olha que a psicóloga dele disse uma vez que eu estava na vida dele para ensiná-lo a amar.

    ResponderExcluir
  11. tão bonito ver histórias assim, que semana legal foi essa aqui no guaraná.

    ResponderExcluir
  12. Taffa, eu nem pensei em fonte da imagem, acredita? Pensei na imagem mesmo, assim, com dois meninos e uma menininha...
    Fofo.

    ResponderExcluir
  13. ó, sei que amei seu texto dessa semana também. Cê tá que tá...

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa. Sente-se conosco,tome um guaraná e comente o que você quiser e depois, aguente!!! hihihi