quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Vivendo

Tema: livre
Por: Marina Reis



Despediram-se e ela sentiu um aperto no peito.
Não era um presságio, mas também não era aquela sensação gostosa de arrepio na espinha, como se uma surpresa boa fosse acontecer. Ela realmente não sabia, apenas sentia e é claro, preferia focar no sentimento bom.
Para aliviar um pouco aquela tensão, não pensou duas vezes, interfonou na portaria e disse para o porteiro liberar a entrada do seu amado. Poderia sim, quem sabe, receber uma visita surpresa, afinal, o aperto que sentia não havia ainda sido detectado e havia uma esperança que ele pudesse voltar.

Nada aconteceu, nenhuma batida, nenhum interfone e nenhuma daquelas mensagens que somente ele envia pra ela, quando anuncia a sua chegada, nadinha aconteceu.
Já estava anoitecendo e ela desfez sua cama arrumada, se cobriu debaixo das cobertas e tirou um cochilo. O peito continuava apertado.
Acordou, sentou-se na cama e começou a reler as mensagens antigas, imediatamente aquela sensação voltou.

Eles estavam online, trocaram algumas mensagens e de imediato ela pode perceber que aquele aperto era apenas a saudade falando mais alto. Ela simplesmente está vivendo.

2 comentários:

  1. Mas olha... viver o presente é interessante.

    ResponderExcluir
  2. Às vezes a realidade dá umas chacoalhadas na gente. Oremos!!!

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa. Sente-se conosco,tome um guaraná e comente o que você quiser e depois, aguente!!! hihihi