sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Crônica para quem conversa enquanto dorme

Tema: Livre
Por Taffa

Google

Naquela noite despertou assim que sentiu que havia mais alguém no quarto. Ainda com a cabeça deitada no travesseiro, arriscou abrir um olho para tentar enxergar algo, mas não viu ninguém. Segundos depois escutou, vindo do breu, um suspiro que reconheceu ser o de sua mãe e chamou-a com a voz rouca para que se aproximasse. Do outro lado do quarto ela veio, ainda descabelada e com os olhos apertados, para fazer um carinho no filho. “Eu fiz de novo?” A criança sussurrou e com um sorriso preocupado a mãe assentiu: “Amanhã vou te levar ao médico”.

Levou. De nada adiantou. Na verdade, aquele seria apenas o primeiro de diversos psicólogos e neurologistas que a criança ainda conheceria na vida. O garoto retraído que passava os dias em silêncio e só conversava quando lhe direcionavam a palavra parecia se tornar outra pessoa quando caía no sono e começava a sonhar. Nas últimas noites, inclusive, a mãe havia percebido que o bate-papo havia se intensificado e agora sempre ouvia palavras soltas, frases completas que certamente faziam parte de diálogos, cochichos e até mesmo versos de poesias.

O ritual continuou acontecendo pela vida. Após tomar algumas atitudes drásticas – como dar todos os tipos existentes de chás calmantes para o filho; matriculá-lo no caratê, natação e inglês para que ficasse cansado e sonolento e, inclusive, ter se estressado certa vez com as confabulações da criança, acabando por colocá-la do lado de fora da casa e ameaçando que se não se calasse iria ter de dormir por lá – a mãe resolveu aceitar a realidade e deixar de vez o menino conversar em seus sonhos.

Tal foi sua surpresa ao perceber que a matraca do garoto se calou assim que atingiu a pré-adolescência. Agora o que tirava o sono da mulher não era mais a conversa do filho no quarto ao lado, mas a sua ausência nas noites que saía com os amigos para um lugar qualquer. Foi aí que viu o quanto aquela prosa lhe fazia bem, lhe trazia paz. Anos depois, após a puberdade, o menino saiu de casa. As conversas durante o sono voltaram – de maneira infrequente e ocasional –, muito provavelmente causadas pelo estresse da vida de quem mora sozinho, mas não era nada a se preocupar.

Ultimamente o menino encontrou um colo: alguém para cuidar e ser cuidado. Logo no começo avisou que às vezes batia um papo com Morfeu, mas acabou soltando palavras durante o sono que incomodaram quem estava deitado ao lado. Murmúrios de cunho tão sério que geraram uma longa conversa, desta vez com ambos acordados. Diálogo terminado, dois lados ajustados e um sentimento de bem querer compactuado. Dizem que agora o garoto parou de conversar, buscar ou chamar durante o sono. Imagino que percebeu que já tinha ao lado o que precisava, sem a necessidade de procurar no devaneio algo ainda a se realizar. Por isso ele deixou de falar e passou a simplesmente sorrir, toda noite, ao fechar os olhos, envolver com os braços e sentir a reciprocidade do sentimento que existe ali.

19 comentários:

  1. Que lindo encontrar toda noite a paz de um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Taffa, seu lindo, vi que você postou, mas estou ferradíssima aqui. Assim que puder, venho te ler.

    Diz que ainda me ama? Tô carente!!! rs

    ResponderExcluir
  3. Tô amando Jéss por aqui e com saudade dos posts dela. Que tal, amores.

    beijos. me liga. me beija. me abraça. diz que sou linda.

    Grata!!!

    ResponderExcluir
  4. Bom que o menino e seu alguém perceberam: conversas de amor, acordado, são mais importantes que diálogos com Morfeu.

    Que delícia disso aqui!

    ResponderExcluir
  5. E pra constar: concordo com a mainha da saudade da Jess. E de como bom ter minha noiva por perto de volta! rs

    ResponderExcluir
  6. ah nem, assim eu choro.
    mesmo, muito.

    ResponderExcluir

  7. a sensação de ouvir uma conversa deve ser bem mais estranha que uns roncos, né?

    ResponderExcluir

  8. e a mãe deve ter ocoração na mão, como todas as mães desse brasil que são quase muito bobas de tão mães, né?

    ResponderExcluir
  9. Chego choro assim! Amor, faz isso comigo não!!

    ResponderExcluir
  10. "como todas as mães desse brasil que são quase muito bobas de tão mães"

    Achei isso tão lindo.
    Bem como a declaração de Limão.

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa. Sente-se conosco,tome um guaraná e comente o que você quiser e depois, aguente!!! hihihi