sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Frustradas


Tema: Férias
Por Taffa
Mafalda de Férias; por Quino.

Certa vez minha família teve um ataque repentino de amor fraterno e todos nós resolvemos tirar férias de uma vez só. Na época eu ainda morava em Uberaba e quando meu pai me convidou para ir à Caldas Novas com tudo pago, aceitei sem titubear. Bem, na verdade descobri depois que o “tudo pago” nem era tão livre de despesas assim. Meio que propaganda enganosa, pois eu precisaria pagar o combustível da viagem e isso se mostrou mais caro do que o esperado, pois eu tinha de ir até Patos de Minas pegar minhas duas irmãs, meu cunhado e tia e levá-los comigo até o destino final. Depois de muita análise, aceitei o itinerário. No dia marcado levantei cedo e peguei a estrada. Durante a ida para Patos não houve nada tão complicado, exceto pelo fato de eu ter me lembrado apenas na metade do caminho que havia esquecido o calção de banho. Coisa típica de ex-gordinho que detesta clube e entra numa piscina só uma vez por ano.

Chegando ao primeiro destino, por volta das nove horas da manhã, encontrei minhas irmãs ainda dormindo nos quartos, descobri que minha tia havia ido ao sacolão de verduras e me contaram que meu cunhado havia sido proibido de ir, pois tinha feito falta de educação com uma amiga da mãe no dia anterior. Berrei carinhosamente minhas irmãs para se apressarem enquanto ia à feira procurar minha tia e na volta passei na casa do cunhado para conversar com a mãe dele e fazê-la deixar o garoto ir, pois minha irmã se recusaria a viajar sem o love.

Horas depois pegamos a estrada. Durante o percurso minha tia abriu o vidro de forma errada e isso fez com que ele ficasse travado, obrigando-a a passar toda a viagem levando bordoadas de vento na cara, além de fumaça de caminhão e, vez ou outra, algum inseto que se esmagava nas lentes dos seus óculos. Ao chegarmos na cidade ela já estava toda descabelada, eu me mostrava impaciente com o calor, uma das irmãs ameaçava o namorado caso ele olhasse para a bunda das mulheres e a outra estava eufórica querendo sair para a balada – isso ainda às três da tarde.

Encontramos o hotel após uma longa e tortuosa caminhada pelo inferno. Imagino que não exista outra palavra para descrever Caldas Novas, quão quente é. O pior de tudo é o fato de todas as pessoas serem turistas, o que faz com que ninguém saiba absolutamente nada a respeito de onde está ou qual caminho seguir para chegar aos lugares. Demos dezenas de voltas até encontrar o local certo e ao entrar no apartamento me deparei com aquela que foi, de longe, a pior surpresa da viagem: sem ar condicionado.

Depois das malas desfeitas e meus pais terem chegado, a galera foi pra piscina se besuntar de bronzeador e pegar aquela cor do pecado. Eu, que tenho herpes labial e sou o mais branquelo da família, me besuntei também, mas de bloqueador solar com fator de proteção 50. Então imaginem um ser já branco de natureza, quase transparente de tanto bloqueador e caminhando desengonçadamente pela orla da piscina: lá estava eu.

Falando em piscina, uma das únicas coisas boas de Caldas Novas é, sem sombra de dúvida, a piscina de água gelada. Digo isso porque é tudo muito calorento, chega a ser difícil de pensar. Imagino que seja por isso que as pessoas vão para um lugar extremamente quente nadar em piscinas quentes. É a única explicação. Ah, sobre o sol de lá, bem, de duas, uma: ou deve ser mais próximo à Terra ou talvez Deus utilize alguma lupa para intensificar os raios sobre aquele pedaço do mundo, porque aquele calor não pode ser normal. O ar é tão quente que você se sente numa sauna seca, mesmo debaixo de sombra. A calçada permite que ovos sejam fritos sem a necessidade de fogão. Quando você resolve fazer uma caminhada debaixo de sol, ao olhar alguns quarteirões à frente é possível visualizar miragens e, se você não for rápido, pode pegar uma insolação. Isso sem falar nos preços europeus que os comerciantes de lá cobram pela água mineral, chega a ser necessário encher as garrafinhas nas torneiras do banheiro, senão isso traria a falência de qualquer sujeito em menos de vinte e quatro horas.

Enfim, Caldas Novas, pra mim, é sinônimo de férias frustradas. Lugar onde eu não consegui me sentir bem e não sei se algum dia voltarei. Aliás, assim como disse o Ulisses outro dia desses: “férias é simplesmente não ir”, no meu caso, não ir para Caldas Novas (ou qualquer outro local onde o calor seja similar ao de um deserto), pois, caso eu vá para um lugar assim, vou precisar tirar, além das férias, outras férias das férias para que eu possa me recompor da decepção.

27 comentários:

  1. Texto exagerado pra fechar bem nosso primeiro semestre de 2012!

    ResponderExcluir
  2. A história é verdadeira, os excessos, talvez.

    ResponderExcluir
  3. O causo é bem mais longo, mas ficaria cansativo e comprido demais, resolvi apenas fazer um apanhado, hauhuahua.

    ResponderExcluir
  4. se não fosse trágico era cômico, ou melhor, a melhor definição é a união de ambos: tragicômico..

    ResponderExcluir
  5. Ahhhhhh, adorei o relato apesar de tão ter adorado a situação.

    ResponderExcluir
  6. Adoro piscina de água quente. À noite com uma latinha de cerveja. Já vivi muito essa situação. Em Caldas Novas, inclusive.

    ResponderExcluir
  7. A frase do Ulisses foi linda, queria ter ido lá comentar o comentário dele, mas deixei pra depois e depois fiquei sem ir...

    ResponderExcluir
  8. Da próxima vez que te convidarem pra férias familiar dê férias a eles e decida: até daqui 30 dias.

    ResponderExcluir
  9. família é um trem irritante né? mas é lindo. relato ficou bão mesmo, mas: que dó.

    ResponderExcluir
  10. eu fui pra caldas novas no TERCEIRÃO e foi muito bom. SAUDADES.

    ResponderExcluir
  11. e sim, muito calor. e sim, muito protetor.

    ResponderExcluir
  12. é verdade que o fator de proteção não muda nada a partir do 30?
    ouvi boatos.

    ResponderExcluir
  13. mas............................
    as pessoas sempre levam os creditos pelas coisas que eu faiizzz
    "simplesmente não ir" estava no meu texto e o MEU AMOR colocou no coments dele.
    "Aninha" foi uma criação minha, mas MINHA MÃE """"roubou""""""".
    ESPERO QUE ISSO NUNCA MAIS SE REPITA NESSE RECINTO...........................
    muito obrigada,
    amo vocês. muito.
    hahahaha

    ResponderExcluir
  14. e o texto ficou bão, sô.
    ficou grande, mas bom de ler!

    ResponderExcluir
  15. Mas sabe, no seu texto, Laurinha, não deu para "apreender" a frase bonita.
    Ficou bonita solta, como no comentário do SEU AMOR. Reflita.

    Aninha... Olha, eu me chamo Rosana. Rosa + Ana, portanto, Aninha e Rosinha seriam consequências. REFLITA.


    Sim eu lavo roupa nos comentários...
    hehehe
    beijos

    ResponderExcluir
  16. hahahahaha
    Gente, e essa imagem que o Taffa colocou?
    Ri muito, e vocês? (isso sim, é copiado de Laurinha) Reflitam.

    ResponderExcluir
  17. olha mamãezinha não tem desculpas, tá?
    ninguém mandou vocês não serem atentos aos detalhes.


    mas, voltando ao post do taff...

    ResponderExcluir
  18. Pelo menos não nessas condições. rs

    ResponderExcluir
  19. UAUHAHAHUHUA, gente lavando roupa suja nos comentários é O PODER (como diria o Vanderley)

    ResponderExcluir
  20. Neste caso o melhor adjetivo q se encaixa para essa lavagem de roupa suja seria a TREVA; meninas por favor isso não combinam com nenhuma de vocês duas..

    ResponderExcluir
  21. é apenas exerção do direito de autoria, gente.
    não fazendo isso estaria contribuindo com a propagação de imagens da Hebe com frases de Shakespeare e assinatura de lispector.

    ResponderExcluir
  22. hahahahahaha adorei o "exerção" da Laurinha. Olha... cadê aspas, cadê?

    ResponderExcluir
  23. TAMBÉM NÃO POSSO MAIS INVENTAR PALAVRAS, É ISSO?

    [ok, erro superdetectado]

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa. Sente-se conosco,tome um guaraná e comente o que você quiser e depois, aguente!!! hihihi