quinta-feira, 15 de julho de 2010

Na contramão da maioria

Tema: livre
Por: Rosana Tibúrcio

É muito complicado entender as reações dos seres humanos diante de alguns acontecimentos. Eu, a cada dia constato mais, não penso e não ajo como a maioria. Estou certa? Errada? Pra muitos devo estar beemmm errada, mas pra mim...
Não quero que ninguém goste de café bastante quente como eu gosto; ou que se irrite com uma crase usada indevidamente, como eu me irrito. Não, não é dessas coisas mais objetivas que falo. Eu me refiro a comportamentos mais subjetivos que envolvem sentimentos e, sobretudo, que envolvem questões morais ou comportamentais...
Tentar explicar: não acho nenhuma graça nas piadas que fazem sobre a vida sexual de qualquer pessoa, e muito menos sobre alguém que já morreu ou está muito doente. Tem gente que adora, morre de rir dessas coisas. E, sinceramente, não gosto de gostar de gente assim, não quero pra mim, pra minha convivência mais íntima, alguém que faz dessas coisas motivo de chacota ou aplaudem que “chacoteia”... rs
Há duas situações que estão, digamos assim, na mídia. A separação do Pato e a história das amigas que davam pra um mesmo carinha, lá em Sorocaba.
Em relação ao Pato e nessa patetice toda me dá um dó danado da Sthefany Brito. Fico pensando o que leva uma menina deixar tudo aqui no Brasil pra se casar com um menino que pouco conhece. Se eu pudesse aconselhar, àquela época, diria: casa não. Mas não sou nada dela e ela nem sonha que eu existo, né minhas gentes? Quem sou eu agora pra dizer que a menina é uma Maria Chuteira e tudo mais que leio por aí? Acho de uma covardia sem tamanho. A impressão que tenho é que as pessoas que perdem tempo descendo a lenha nela não têm mãe, irmã ou... nenhuma mulher digna por perto.
Há quem vibre com a surra que a tal da Vivian deu na tal Juliana, há quem aplauda toda essa exposição, esse barraco e grita no twitter, nos blogs da vida: “eu faria a mesma coisa.” Hãnnn? Jura? Jura que assinaria seu atestado de incompetência? Por onde andavam todos os sentidos dessa mulher que nunca desconfiou de nada por cinco anos? E mais, sabendo que o sujeito era reincidente. Sim, meus amores, a Vivian, não só se casou com o sujeito já sabendo que ele não era boa bisca como, também, foi responsável direta pela primeira separação dele. Sim, ela também pegou o cara casado. E agora pousa de santa? E o povo aplaude? Fiquei sabendo desse babado aqui ontem à noite, bem depois de eu mostrar minha indignação com quem aprova o que a traída fez com a vida dela e da ex-amiga. Muito, mas muito feio. É um tal de enrolar o rabo, sentar em cima e malhar o outro.
Não sei o que leva uma pessoa trair a outra. Uma mulher acreditar que o homem vai mesmo se separar da atual pra ficar com ela... e não sei, também, o que leva uma pessoa a trair a própria "amiga" e comadre. Mas pra qualquer história existem duas versões. Eu não me satisfaço com a primeira, sobretudo se ela é dada por alguém que, pra mim, não é muito equilibrado.
Por essas e por outras é que não queria ter como amiga a espancadora nem queria ter sob o meu teto quem admira e aplaude comportamentos assim.
Há quem pense como eu, adorei ler isso aqui. Eu não estou só na contramão da maioria. Inda bem.
.
Uma linda quinta-feira pra todos vocês, meus amores, pois nas quintas há algo diferente no ar e hoje há euzinha aqui, que não penso e não ajo como a maioria escrota que se acha acima do bem e do mal.

imagem daqui

8 comentários:

  1. Eu me acerto

    Composição: Zélia Duncan

    Não pensa mais nada
    No final dá tudo certo
    De algum jeito
    Eu me acerto, eu tropeço
    E não passo do chão
    Pode ir que eu aguento
    Eu suporto a colisão
    Da verdade
    Na contramão...

    Eu sobrevivo
    E atinjo algum ponto
    Eu me apronto
    Pro dia seguinte
    Escovo os dentes
    Abro a porta da frente
    Evito a foto sobre a mesa
    E ninguém aqui vai notar
    Que eu jamais serei a mesma...

    Escovo os dentes
    Abro a porta da frente
    Evito a foto sobre a mesa
    E ninguém aqui vai notar
    Que eu jamais serei a mesma
    Que eu jamais serei a mesma...

    Não pensa mais nada
    No final dá tudo certo
    De algum jeito
    Eu me acerto, eu tropeço
    E não passo do chão
    Pode ir que eu aguento
    Eu suporto a colisão
    Da verdade
    Na contramão...

    Eu jamais serei a mesma
    E ninguém aqui vai mudar
    Que eu jamais serei a mesma
    Eu jamais serei a mesma

    ResponderExcluir
  2. Música nada a ver, mas ela tem a palavra contramão hahaha e eu gosto dela.
    Pronto.
    beijos e desculpe-me pelo post uhhhh

    ResponderExcluir
  3. Eu ainda não vi a história da Vivian de Sorocaba.

    ResponderExcluir
  4. Pelo que andam falando, eu tive a impressão de que vou rir quando vir.

    Mas não vi. Logo, não ri.

    ResponderExcluir
  5. E, logo, ganhei pontos com a mainha!
    rs

    ResponderExcluir
  6. Rosana,

    Estou seguindo seu blog.


    Abraço
    Cearánews! On Laini
    www.cearanews.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Obrigada moço, mas o blog não é meu, é de um grupo de amigos (vide descrição perfil).
    Seja bem-vindo, espero que curta nossos posts...

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa. Sente-se conosco,tome um guaraná e comente o que você quiser e depois, aguente!!! hihihi