quinta-feira, 8 de julho de 2010

Aos meus ex-aliados

Tema proposto: carta a uma parte do corpo*
Por Rosana Tibúrcio

Olá vocês! De início peço mil desculpas pelo tom D.R, desta carta; mas foi uma oportunidade que surgiu e não vou desperdiçá-la, certo?
Quem diria que nossa parceria iria se enfraquecer da forma que tem ocorrido, nos últimos anos? Nunca poderia imaginar algo parecido... e sabe... não gosto dessa transformação, isso me deprime um pouco.
Desde muito novinha vocês representaram o que tinha de melhor. Os elogios eram constantes e vocês eram invejados por muitas meninas/moças/mulheres.
Nós nos cuidávamos muito bem. Havia uma troca contínua, eu diria. Pensando aqui, era mais que isso, pois vocês me protegiam não permitindo que pessoas afirmassem que eu era de-todo-uma-pessoa-muito-da-feia. Sempre tinha alguém pra dizer: nossa, como os de Rosana são lindos!
Em troca eu dava a vocês meu carinho e muito, mas muito zelo. Vocês praticamente estavam em primeiro lugar no meu dia-a-dia.
Mas o tempo, senhor de tudo, nos ensina que há muito mais pra ser zelado nas nossas vidas. A gente cresce, começa a trabalhar, vem marido, filhas, casa pra olhar e outras preocupações que surgem naturalmente. E, assim, vocês mesmo ainda viçosos já não mais recebiam de mim tamanha dedicação.
Mápô, era tão difícil assim, me compreenderem? O que sei é que, de forma rancorosa, vocês aos poucos resolveram se ajuntar e decidiram, como numa revolução, acabar com meu sossego. Queriam porque queriam atenção: como antes; como crianças birrentas.
E quem pôde impedir esse motim? Eu não consegui, pois eram muitos contra mim. Por mais que eu me esforçasse, tentasse recuperar o tempo perdido, não houve como parar vocês, seus rebeldes e cheios de picuínhas.
E então, de forma pirracenta, sem dó nem piedade, resolveram perder a cor natural e mais... se esfregavam tanto uns nos outros, embaçando tudo por ali, ficando oleosos e sujos além do comum; e escassos, a propósito.
Enquanto isso, o que acontecia comigo? Trabalho redobrado, cada dia mais triste e revoltada com vocês, confesso.
Ouvi dizer por aí que vocês, assim como eu, se cansam com o tempo, perdem o viço, a espessura, o jeito espontâneo de ser; que na verdade, vão se arrastando pelo resto da vida, como quem se cansou de ficar em evidência. Será?
Não posso aceitar essa teoria, pois algo me deixa bastante intrigada. Digam-me, se forem capazes: se perderam realmente a força, a ponto de perder a cor, como vocês têm energia suficiente para pularem, do lugar original, para outro lugar-nada-a-ver?
O objetivo desta minha carta é conseguir que me deem alguma satisfação. Se acharem que não mereço taaaanta resposta pra taaaaanta inquietação; pelo menos essas de agora vocês poderiam me dar: por que não permaneceram como sempre foram? Lindos, sedosos, pretos e NA CABEÇA? Precisam, realmente, pularem pro meu rosto?? Se tiverem como explicar, favor me responderem, ok?
No mais, meu desejo sincero é que tomem tenência... e até a próxima caixa de tinta, seus cabelos branquelos e quebradiços de uma figa.
Uma linda quinta-feira pra todos vocês, meus amores, pois nas quintas há algo diferente no ar; hoje há momento desafabo-eu-mato-quem-me-maltrata.
.

*Carta inspirada na que Silmara Franco, do Fio da Meada, fez pros pés dela.

31 comentários:

  1. Aquela coisa toda

    Composição: Mongol

    Olhe bem nos meus olhos
    Olhe bem pra você
    O fato é que a gente perdeu toda aquela magia
    A porta dos meus quinze anos não tem mais segredos
    E velha, tão velha ficou nossa fotografia
    Olhe bem nos meus olhos
    Olhe bem pra você
    A quem é que a gente engana com a nossa loucura
    De certo que a gente perdeu a noção do limite
    E atrás tem alguém que virá, que virá, que virá, que virá, que virá

    ResponderExcluir
  2. Ficamos assim, moçadinha. Tô fome Vou ali... depois volto pra fazer correções, sascoisa...

    ResponderExcluir
  3. Se eu disser que no início achei que você estava falando de outra coisa você vai rir de mim?

    Só que não posso falar sobre o que pensei porque isso aqui é um blog família.

    ResponderExcluir
  4. Gentem, tá tudo bem por aqui em Uberaba. Estou correndo demais, mas logo volto à ativa.

    Mil beijos!

    ResponderExcluir
  5. ´´otimaaa....mas meu cabelo é que me pede pq eu o maltrato tanto com quimica.eheheh um beijo

    ResponderExcluir
  6. Olha só o Taffa pensando besteira.
    Eu quis fazer um certo suspense, mas nem sou boa pra isso...rs
    Saudades Taffa.

    Olá Josiane... rs

    ResponderExcluir
  7. Mainha, desculpe a falta de respeito, mas quando li "que na verdade, vão se arrastando pelo resto da vida, como quem se cansou de ficar em evidência", imaginei seus peitos caídos pelo chão.

    haha

    ResponderExcluir
  8. Seus cabelos são muito bonitos, mainha. Mesmo precisando de uma corzinha às vezes!

    ResponderExcluir
  9. Desculpa, Rosaníssima, mas a primeira coisa que li foi a última frase.

    Eu acho que o Taffa pensou a mesma coisa que o Rafa, não por nada.

    ResponderExcluir
  10. Me sinto tão pura por ter lido a última frase primeiro.

    ResponderExcluir
  11. Ah, mas confesso que achei que o nome do compositor ali foi sacanagem da Rosana. Sei lá, ela parecia revoltada...

    E não é que é Mongol mesmo?

    ResponderExcluir
  12. Que declaração ridícula gratuita que eu dei, né. É claro que o Taffa pensou a mesma coisa que o Rafa. -.-

    ResponderExcluir
  13. Eu acho viçoso um adjetivo quase que feito para cabelo. Se eu não tivesse lido a última frase primeiro, esse viçoso já entregaria

    ResponderExcluir
  14. Não que você não seja boa para suspense... É só o viçosos mesmo

    ResponderExcluir
  15. Essa carta ficou boa por demais.
    .
    Agora o comentário do peito foi o melhor de todos haushauahusah
    .
    eu logo de cara pensei q fossem os cabelos.
    .
    muito bom
    beijocas

    ResponderExcluir
  16. UHAHUAUHAHU!

    Pensei no mesmo que o Rafa sim.
    Mas eu sou... ahm.. discreto.

    ADFUSHHUFASD

    ResponderExcluir
  17. e vocÊ não era de todo feia.
    por dentro vc é linda

    HASIUHASDIUHDSAIUHDAISUHDS
    brinks

    ResponderExcluir
  18. pensei que vocÊ iria escrever sobre o oposto do rafa mesmo

    ResponderExcluir
  19. seu cabelo é essa coca cola toda, mãe.

    ResponderExcluir
  20. e eu nem me surpreendi.. vi a foto.
    tolinha.

    ResponderExcluir
  21. aquela chata que estraga a esperança dos outros ne

    ResponderExcluir
  22. Genteeeee, como assim, meus peitiolas??? A vantagem de ter peitos pequenos é a seguinte: cê fica velha e o trem não cai lá pra baixo, saca? É um sutiã bacana e tá tudo certo.
    Agora, a mulherada que tem peito grande na maturidade é muito, mas muito feio... urgghhhh!

    ResponderExcluir
  23. Viçoso é pra cabelo então, Camila?
    Adorei... hehehe

    ResponderExcluir
  24. Minhas filhas me apoiam... me admiram, me amam!!!

    ResponderExcluir
  25. Tá certo que não sou o Rafa pra ganhar comentário da inspiradora do tema da semana, mas num é que fiquei feliz com a presença firme e forte de Laurinha?

    ResponderExcluir
  26. A Laurinha chamou o Rafa de paia. pucaldiquê? haha

    ResponderExcluir
  27. Rosana, adorei!
    Mas me diga uma - uma só - coisa no seu corpo que permanece exatamente igual ao que era no passado. Formas, texturas, cores, cheiros, tamanhos, tudo vai mudando. Por que o cabelo ficaria de fora? Só cabelo de boneca é que não muda.
    Que tal a gente turbinar essas madeixas? Já estou tendo ideias por aqui.
    Beijos.
    Silmara Franco

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa. Sente-se conosco,tome um guaraná e comente o que você quiser e depois, aguente!!! hihihi