terça-feira, 5 de julho de 2016

E eu apenas sou um a mais a falar dessa dor*

Tema: Voluntariado
Por Rafael Freitas

_ Onde você se imagina daqui a dez anos? O que estará fazendo? Quais são os planos?

Se você ainda não parou para pensar nas respostas, eu já. E sempre tenho o mesmo desejo, superior a bens materiais ou à ideia de felicidade enquanto uma meta a ser alcançada: quero ser bom.

O bom que quero ser implica ter um coração leve e limpo de mágoas passadas, calmo e que saiba olhar para o outro. Não o outro amigo, conhecido. Aí fica fácil; é o mínimo que podemos fazer. Difícil é ter bondade e compaixão pelo irmão anônimo.

Qual foi a última vez que você visitou um doente ou os velhinhos no asilo? Candidatou-se como voluntário na APAE ou em outro projeto social? Separou umas roupas e doou naquela campanha do agasalho? Pois é. Faz tempo.

E olha que tenho um bom exemplo para seguir: Marcelo. Meu irmão mais velho não era do tipo que só ficou bom porque morreu, sabem? Ele era bom mesmo. Do tipo que dava dinheiro para o bêbado que pede uns trocados para comprar um pão sem se importar se ele saciaria a fome ou outro vício. No seu velório, um desses parou do meu lado e disse que o Marcelo sempre lhe dava comida, dinheiro, até um cachorro quente. Teve gente que disse que era mentira. Penso que não: era a cara do Marcelo fazer isso.

Depois de tudo, fiquei pensando que não dá para passar por essa perda sem mudar pelo menos um pouquinho, talvez um bocadinho mais tolerante, ser um pouco parecido com ele.

Na correria dos nossos dias, no aperto das contas no final do mês, na pirraça que a gente faz quando alguém nos chateia, acabamos esquecendo dessa coisa toda que parece autoajuda. A intenção não é o drama, gente. Juro. É um lembrete, um post-it que esquecemos de colocar no monitor ou na geladeira.


Porque o tempo passa e tenho que dar conta das respostas para aquelas perguntas ali em cima. Não que eu queira ser santo. Só quero ser bom.


* "E eu apenas sou um a mais, um a mais, a falar dessa dor, a nossa dor" - Trecho da canção Milagre dos Peixes, de Milton Nascimento e Fernando Brant

3 comentários:

  1. Fugi um pouso do tema mas postei no dia certo! rs

    ResponderExcluir
  2. Não acho que tenha fugido do tema. Lindo texto.

    ResponderExcluir
  3. Concordo com a Helô, filhote.
    e... ti lindis!!

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa. Sente-se conosco,tome um guaraná e comente o que você quiser e depois, aguente!!! hihihi